Lula teme que efeito De la Rúa prejudique esquerdas

O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou hoje, em Porto Alegre, que setores conservadores deverão explorar a crise Argentina para argumentar que, se o PT vencer as eleições deste ano, o Brasil passará pela mesma situação. Isso porque, segundo o líder petista, o ex-presidente argentino Fernando de la Rúa teve o apoio de grandes setores de esquerda em sua eleição. E lamentou: "A contribuição de la Rúa foi frustrante".Apesar dessa perspectiva, ele demonstrou confiança no futuro dos partidos de esquerda na América Latina. "No Brasil, por exemplo, a esquerda nunca esteve em uma situação como a de hoje, por isso, estou otimista."Ao falar para jornalistas de todo o mundo, durante entrevista coletiva que concedeu hoje em Porto Alegre, Lula lembrou que em 1998 o ex-presidente argentino Carlos Menem, quando esteve no Brasil, disse que o Mercosul iria acabar se o PT vencesse as eleições."A América Latina já teve quatro presidentes neoliberais, Collor no Brasil, Menem na Argentina, Fujimori no Perú e Salinas no México e todos, sem exceção, saíram dos cargos acusados de corrupção e deixaram os países em situação delicada", reiterou.O líder petista disse que está na hora de os partidos de esquerda mostrarem que as relações internacionais e comerciais independem "da cor dos olhos do presidente", mas sim do retorno dos investimentos.Ao comentar ainda sobre o quadro político, Lula fez questão de lembrar que durante o governo de José Sarney, pai da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, provável candidata do PFL à Presidência este ano, a situação estava igual, ou pior a que a Argentina vive atualmente, com inflação mensal em torno dos 80%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.