Lula tranqüiliza mercado e dólar cai

A cúpula petista vem tendo sucesso em acalmar o mercado, com os reiterados pronunciamentos em favor da disciplina nas contas públicas, inflação baixa e contratos firmados. O resultado é que a especulação não se sustenta e muitas instituições estão desfazendo suas operações cambiais, contratadas para evitar riscos extremos. Como eles parecem estar mais distantes, começam a surgir vendedores de dólar, derrubando as cotações.Até amanhã devem ser divulgados os nomes dos técnicos que comporão a equipe de transição, o que pode ter algum efeito sobre os negócios, na medida em que as desconfianças dos investidores sejam afastadas ainda mais. Mas o clima é de trégua e as cotações vêm se recuperando lentamente, mas com firmeza. Hoje o dólar chegou a R$ 3,62 e a Bolsa de Valores de São Paulo já subiu 17,92% no mês. Essas cotações ainda revelam pessimismo, e a tendência, segundo analistas, se a confiança continuar se consolidando, é de mais recuperação pela frente.Ajudam certamente os números das contas externas, já que o saldo comercial para o ano já está em cerca de US$ 10 bilhões e os dados das contas públicas. Com o resultado de outubro, o superávit primário acumulado é de R$ 47,6 bilhões, o que equivale a cerca de 5% do PIB. Esses números reduzem muito os prognósticos de calote e insolvência que chegaram a circular no calor da campanha presidencial.Mas a alta do câmbio dos últimos meses pressiona muito a inflação, o que impede uma queda maior dos juros, ao menos no curto prazo. O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de outubro divulgado ontem bateu novo recorde desde o Plano Real, chegando a 3,87%. E ainda pode haver novo aumento dos combustíveis. O IGP-M serve como base para o reajuste de vários contratos e tarifas, alimentando a inflação. Com isso, os juros futuros não têm acompanhado o ritmo de recuperação do dólar e da Bolsa.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 3,6300 nos últimos negócios do dia, em baixa de 2,29% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,6200 e R$ 3,6950. Com o resultado de hoje, o dólar acumula uma alta de 56,74% no ano e queda de 3,46% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 23,080% ao ano, frente a 23,090% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,290% ao ano, frente a 27,500% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,98% em 10167 pontos e volume de negócios de R$ 672 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 25,12% em 2002 e alta de 17,92% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, o número de altas e baixas foi equilibrado. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,36% (a 8397,0 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subiu 0,22% (a 1329,71 pontos). Às 18h, o euro era negociado a US$ 0,9897; uma alta de 0,57%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em alta de 0,93% (434,84 pontos). O dólar oficial para venda fechou a $ 3,49 pesos.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.