Lula vai ao Uruguai ouvir queixas e alertar sobre Mercosul

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, visitará na segunda-feira, 26, seu o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, para ouvir os pedidos do pequeno país sul-americano que quer ampliar os mercados para seus produtos. Lula, no entanto, deve advertir que é contrário a acordos fora do Mercosul. O presidente brasileiro se reunirá com Vázquez na casa presidencial de Anchorena, no Estado de Colônia, cerca de 180 quilômetros ao oeste de Montevidéu.O encontro acontece a duas semanas da chegada do presidente norte-americano, George W. Bush, a Montevidéu, uma visita que aumentou especulações de que o Uruguai poderia finalmente firmar um acordo de livre comércio com os Estados Unidos, algo proibido pelo Mercosul, bloco formado por Argentina, Brasil, Venezuela, Paraguai e Uruguai. "O Uruguai tem todo o direito e obrigação de ampliar seu mercado", disse a jornalistas o embaixador brasileiro em Montevidéu, José Felício. "Mas estou seguro que este governo terá o cuidado de preservar as obrigações que tem dentro do Mercosul. Nosso único interesse é preservar o Mercosul como um projeto de integração", advertiu o diplomata.O Paraguai e o Uruguai, membros menos desenvolvidos no acordo comercial, ameaçam buscar acordos fora do bloco para reduzir diferenças com seus parceiros maiores, mas as normas do Mercosul impedem negociações bilaterais.AproximaçãoA aproximação do Uruguai com os EUA, um dos maiores compradores do país sul-americano, deu novo fruto em janeiro a um importante acordo comercial, que, segundo uma ala do governo Vázquez, poderia resultar finalmente em um Tratado de Livre Comércio (TLC).Danilo Astori, ministro da Economia uruguaio, um dos possíveis sucessores de Vázquez no comando do país, é um dos principais patrocinadores do TLC com a potência mundial.Embora o Brasil sempre tenha se mostrado aberto a discussões de possibilidades de os países pequenos do Mercosul comercializarem fora do grupo, constantemente relembra o dano que um tratado bilateral faria ao bloco. A agenda de temas a serem discutidos entre os dois presidentes está aberta, disse o embaixador brasileiro, e, além de aspectos comerciais, incluirá assuntos de cooperação energética e de negócios brasileiros no Uruguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.