Lula volta a discutir urgência sobre pré-sal na próxima semana

Presidente mostrou-se sensível a apelos e propôs uma nova discussão para fazer uma avaliação do cenário

Tania Monteiro, Leonardo Goy e Leonencio Nossa, da Agência Estado,

03 de setembro de 2009 | 13h43

Embora tenha defendido, na reunião com líderes da base aliada, a necessidade de manutenção do regime de urgência para a tramitação dos projetos que definem o marco regulatório do pré-sal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrou-se sensível a apelos e propôs uma nova discussão na próxima semana para que seja feita uma avaliação do cenário. "Deixa decantar o processo. Eu não me pauto pelos jornais. Estou aberto a discussão. A questão da urgência, vocês é que tem de dizer", disse o presidente, na reunião, segundo relato do líder do PSC na Câmara, deputado Hugo Leal (RJ).

 

Veja também:

linkPT diz que Lula está convencido da urgência no pré-sal

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

Uma fonte da Presidência que participou da reunião confirmou a informação de que Lula está disposto a discutir novamente a urgência e, durante as discussões, chegou a admitir que pode ser convencido a mudar de ideia. A mesma fonte estranhou as declarações dos líderes Aloizio Mercadante (PT-SP) e Ideli Salvatti (PT-SC), que afirmaram que o presidente estaria convencido da urgência e relevância dos quatro projetos que definem o marco regulatório do pré-sal.

 

Na reunião, de acordo com o deputado Hugo Leal, os líderes, entre eles, Henrique Fontana (PT-RS), advertiram que poderiam ficar desmoralizados caso Lula decidisse retirar a urgência dos projetos. Lula ponderou, ainda conforme Leal: "Vamos esperar uma semana e depois a gente volta a conversar".

 

Lula também insistiu que a distribuição de royalties não tem que ser decidida agora para não contaminar o debate em relação aos outros projetos.

 

Na segunda parte da reunião, já sem a presença do presidente Lula, o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, e o vice José Alencar, defenderam a manutenção da urgência. Mas os líderes avaliaram que uma posição só pode ser fechada na presença do presidente.

 

O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, contou que conferiu com o presidente Lula sobre a sua posição em relação à urgência. Lula, conforme o ministros, afirmou: "a decisão é manter a urgência". Múcio disse ainda que o presidente Lula considerou-se satisfeito pelo fato de não ter havido questionamentos sobre o mérito dos quatro projetos que definem o marco regulatório do pré-sal.

Tudo o que sabemos sobre:
Lulapré-salurgência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.