Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Lupi: crise deve afetar 'muito pouco' a economia do País

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, disse hoje não acreditar que a turbulência nos mercados financeiros, provocada pela crise no setor imobiliário americano, prejudique a economia brasileira, afetando o mercado de trabalho formal. "Minha compreensão é que tudo isso (as turbulências) pode nos afetar muito pouco no médio prazo", afirmou Lupi, ao anunciar os resultados das contratações e demissões no mercado formal de trabalho.Para ele, a economia brasileira será pouco prejudicada porque hoje tem mercados compradores diversificados de suas exportações e uma demanda interna aquecida que pode compensar alguma redução nas vendas externas para os Estados Unidos. Ele admitiu a possibilidade de, por causa das turbulências, o Copom (Comitê de Política Monetária) reduzir o ritmo de queda nos juros na próxima reunião, mas acredita que isso não afetará significativamente o bom desempenho da economia.FormaçãoLupi anunciou também que o governo pretende investir mais, a partir de 2008, em qualificação profissional dos trabalhadores. Ele lembrou que, em 2006, de 1,7 milhão de vagas com carteira assinada identificadas pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine), apenas 50% foram preenchidas por falta de qualificação adequada dos trabalhadores. "Isso comprova que, se investirmos em formação, temos condições de incrementar ainda mais o volume de contratações formais a partir de 2008", afirmou o ministro.

ISABEL SOBRAL, Agencia Estado

22 de agosto de 2007 | 15h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.