Lupi prevê geração recorde de emprego em novembro e dezembro

O ministro do Trabalho e Emprego acredita que serão gerados mais de 2,5 milhões de empregos em 2010, o melhor resultado já registrado até hoje

Célia Froufe, da Agência Estado,

19 de outubro de 2010 | 12h59

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou que, apesar de a geração de empregos formais de setembro não ter batido recorde para o mês, conforme previa, os meses de novembro e dezembro trarão os melhores resultados para o mês. "Vamos ultrapassar um pouquinho os 2,5 milhões de empregos gerados em 2010, o melhor ano de geração de emprego da história do Brasil", previu.

O ministro negou que o resultado de setembro, quando foram criados 246.875 postos com carteira assinada, já represente uma desaceleração do nível de emprego, conforme esperam alguns analistas. "É efeito sazonal, principalmente nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Goiás", argumentou. Ele previa que o resultado de setembro fosse o melhor para o mês da história. "Nem sempre a gente acerta porque a gente é humano", justificou.

Para Lupi, outubro e novembro poderão registrar recordes para os meses em questão porque a tendência do setor de Serviços, o que mais emprega, é o de crescimento por conta das festas de final de ano. "Estamos com crescimento da economia em todos os setores", observou. Nesses meses, segundo ele, além do varejo e do atacado, os serviços de hotelaria também costumam apresentar aumento de contratações.

Salário mínimo

Carlos Lupi, admitiu que o salário mínimo não atende às necessidades básicas da população e defendeu a continuidade do aumento, mas com "bom senso". "O salário mínimo pode e precisa ser mais? Sim, mas dentro do bom senso, do equilíbrio", afirmou durante entrevista coletiva.

Segundo ele, este será um dos assuntos que estarão na pauta de uma reunião hoje com as centrais sindicais, em Brasília. "O salário mínimo não cumpre as necessidades da população, mas tivemos mais de 64% de reajuste acima da inflação (de 2003 a 2010)", argumentou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.