Lupi prevê mais 2 milhões de empregos novos em 2008

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, atribuiu o recorde da geração de empregos formais no País em 2007 (1,6 milhão de vagas) ao crescimento da economia, estimado em 5,2%. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no ano passado, os setores que mais se destacaram na geração de emprego com carteira assinada foram os serviços (587.103 vagas), o comércio (405.091) e a indústria (394.584). Os dois primeiros setores (serviços e comércio) tiveram desempenho recorde e a indústria, o segundo melhor resultado da série histórica do Caged, iniciada em 1992.Os subsetores da economia com maior destaque em 2007 no mercado formal foram a construção civil, que registrou uma expansão de 13,08%, e os serviços de comércio, com 6,56%. "A gente sente que há uma consistência de forma generalizada na geração de empregos. Isso permite manter a minha previsão otimista de que 2008 vai ser ainda melhor que 2007", disse Lupi, acrescentando que os dados apontam para uma geração de 1,8 milhão a 2 milhões de novos empregos que podem ser criados este ano.Para o ministro, uma eventual recessão na economia norte-americana não afetará de forma significativa o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e a continuidade da geração de empregos formais. Segundo ele, isso deverá acontecer porque as exportações brasileiras têm clientes diversificados no mundo e não só nos Estados Unidos, e a demanda interna permanece aquecida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.