Divulgação
Divulgação

Luxottica e Essilor anunciam fusão avaliada em 46 bi de euros

Produtora francesa delentes vai se unir à italiana que produz as armações de marcas como Ray-Ban e Oakley

Reuters

16 de janeiro de 2017 | 23h14

A italiana Luxottica e a francesa Essilor acertaram acordo de fusão de 46 bilhões de euros que deve criar uma gigante com receita anual de 15 bilhões de euros. O acordo, feito apenas em ações, marca uma das maiores alianças de empresas em dois países da Europa ao unir a Luxottica, maior fabricante de óculos do mundo, com marcas como Ray-Ban e Oakley, com a maior produtora de lentes do mundo, a Essilor.

“Finalmente dois produtos que são naturalmente complementares – armações e lentes – serão projetados, produzidos e distribuídos sob o mesmo teto”, disse o fundador da Luxottica, Leonardo Del Vecchio, de 81 anos, em comunicado.

A fusão entre as duas maiores empresas de um mercado estimado em US$ 95 bilhões ao ano deve criar uma companhia capaz de aproveitar a forte demanda por óculos sob prescrição médica e óculos de sol por causa do envelhecimento da população global e aumento do interesse em cuidado com os olhos.

Analistas da consultoria Jefferies estimam que o mercado está crescendo entre 2% e 4% por ano, enquanto a Luxottica e a Essilor afirmam que pelo menos 2,5 bilhões de pessoas no mundo ainda sofrem com problemas de visão sem tratamento.

O acordo também elimina, pelo menos por enquanto, incerteza sobre a sucessão na Luxottica, que perdeu três presidentes-executivos desde 2014 por causa de desentendimentos com Del Vecchio.

Analistas do JPMorgan Cazenove disseram que o acordo retira o risco de crescente competição entre os dois grupos, que nos últimos anos começaram a ingressar em áreas uns dos outros. A Essilor comprou varejistas online e a Luxottica estava investindo em produção de lentes. As empresas afirmaram que a Ásia e a América Latina são consideradas regiões com o maior potencial de crescimento. O comércio eletrônico também será prioridade.

A EssilorLuxotica terá 140 mil funcionários e será listada na Bolsa de Paris.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropaDel VecchioÁsiaAmérica Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.