M. Jorge: crise mostrou que 'menos imposto vende mais'

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse hoje que um dos aspectos positivos da crise financeira internacional no País foi a comprovação, para o governo, da tese segundo a qual a redução de impostos acaba tendo como efeito direto o aumento das vendas dos produtos beneficiados pelas medidas.

ANNE WARTH, Agencia Estado

11 de setembro de 2009 | 18h36

"Um dos grande efeitos positivos dessa crise foi mostrar que menos imposto vende mais. Nós temos trabalhado muito isso dentro do governo para que haja um convencimento institucional de que menos imposto vende mais", afirmou ele, depois de participar da comemoração pelos 20 anos do Guia Oesp Metal Mecânica e Eletrônica, no auditório do Grupo Estado, na capital paulista. "Fico falando esse negócio o dia inteiro dentro do governo para ver se essa coisa entra", acrescentou o ministro.

Na avaliação dele, o conjunto de ações adotadas pelo governo na área tributária e na concessão de crédito contribuíram para elevar o uso da capacidade instalada da indústria. "Claramente mais crédito e menos impostos contribuem para elevar a capacidade instalada", afirmou.

Miguel Jorge fez as afirmações logo após ter dito à imprensa ser contra a prorrogação da redução do IPI para automóveis. "Vou dizer, até o dia da prorrogação, até o último minuto, que sou contra. Tenho de dizer isso. É uma questão de mercado", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
criseimpostosconsumoMiguel Jorge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.