Mackenzie inaugura hoje cátedra Celso Furtado

A Universidade Presbiteriana Mackenzie inaugura hoje a cátedra Celso Furtado, que terá como objetivo resgatar o pensamento do economista, que morreu no fim de 2004, para debater o desenvolvimento brasileiro. "Vivemos um vácuo teórico", disse o economista Alexandre de Freitas Barbosa, que, com o professor Ricardo Amorim, coordena as atividades da cátedra. Barbosa e Amorim são professores da Faculdade de Ciências Econômicas, Contábeis e Administrativas do Mackenzie. Na noite de hoje, o cientista social Francisco de Oliveira e o embaixador Rubens Ricupero farão palestras no auditório do Mackenzie sobre a atualidade do pensamento de Furtado. Enquanto o embaixador falará sobre a inserção internacional do País, Oliveira, que trabalhou com Furtado na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), abordará as desigualdades regionais brasileiras. Segundo Barbosa, a proposta da cátedra é convidar outros intelectuais que foram fortemente influenciados por Furtado para outras palestras. O prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa; o ex-ministro da Administração Federal, Luís Carlos Bresser Pereira; e a economista Maria da Conceição Tavares são alguns dos futuros convidados para os ciclos de debates da cátedra. "Queremos manter viva a memória de Celso Furtado", disse Barbosa. Entre os planos da cátedra, está a organização de um site na internet sobre o economista, além da realização de um seminário de leitura para divulgar a obra de Furtado, que foi um dos formuladores da teoria do subdesenvolvimento. As palestras de Oliveira e Ricupero serão às 19 horas, no Auditório Rui Barbosa, prédio 19 da Universidade Mackenzie, que fica à Rua da Consolação, 930.

Agencia Estado,

23 Maio 2005 | 07h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.