finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Macy's promove o Brasil nos Estados Unidos

A Macy's vai promover o Brasil em 300 das suas 800 unidades dos Estados Unidos. Maior rede de lojas de departamento americana, a companhia anunciou ontem uma campanha com produtos brasileiros. As vendas começam no dia 22 de abril e seguirão por 10 semanas. Ao todo, serão comercializados produtos de 30 distribuidores nacionais.

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2012 | 03h04

A campanha foi batizada de "Brasil: A Magical Journey". Paralelamente às vendas, a Macy's fará, a partir de 16 de maio, uma campanha de quatro meses promovendo o País. A iniciativa da rede de departamento é mais uma tentativa de aproximação com o público brasileiro, que já é o segundo em número de frequentadores das lojas da rede. Recentemente, a empresa também começou a calcular os preços das vendas online em reais - os brasileiros são os terceiros maiores compradores da loja virtual.

"Nós escolhemos o Brasil por causa da sua energia e grande influência cultural e econômica", afirmou Martine Reardon, vice-presidente de Marketing da Macy's. Além do crescimento econômico, a executiva destacou a exposição do Brasil com a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Os produtos que serão vendidos vão desde bijuterias, roupas e utensílios para a casa até produtos alimentícios. Entre as marcas que serão comercializadas pela rede americana, estão Garoto, Natura Ekos e o café Pilão. "A gente está dentro de um projeto de celebração do mercado do Brasil no exterior", afirmou Daniel Levy, diretor de Novos Negócios da Natura. Atualmente, os EUA são o segundo maior importador de produtos brasileiros, atrás somente da China.

No ano passado, as vendas Macy's somaram US$ 26 bilhões. A empresa não divulgou qual é a meta para as vendas dos produtos brasileiros, mas espera que a parceria aumente o resultado de 2011.

Exclusividade. Os produtos brasileiros serão alocados em ambientes exclusivos dentro das lojas - eles foram batizados de "O Mercado, The Market at Macy's". A empresa não divulga os números da campanha, mas diz que foram investidos "milhões de dólares". Só a Associação de Promoção de Exportação e Investimento (Apex-Brasil) diz ter investido US$ 1,5 milhão na campanha. "Só pela exposição que o Brasil vai ter durante essas 10 semanas, esse US$ 1,5 milhão não é nada perto do que nós vamos ter de volta", afirmou o presidente da entidade, Mauricio Borges. "O retorno é absurdamente positivo."

Segundo Borges, a Apex tem promovido 900 eventos por ano e, de acordo ele, esse evento é o um dos melhores investimentos em retorno e de imagem. "A nossa intenção é que outras empresas se beneficiem da qualidade. É uma porta que está sendo aberta e uma vitrine absurda" afirmou.

Na avaliação do coordenador de Imagem e Acesso a Mercados da Apex-Brasil, Ricardo Santana, o fato de as empresas brasileiras fornecerem para a Macy's faz com que elas tenham condições de atender qualquer mercado. "Se a gente consegue fornecer nossos produtos para a plataforma americana, nós podemos exportar para qualquer país", disse.

A discussão para parceria com a Macy's começou há um ano. A rede já promoveu testes com alguns produtos brasileiros nas suas lojas e aceitação foi positiva. Apesar da aproximação com o Brasil, a Macy's ainda não planeja inaugurar uma loja no País.

Marca. Para a promoção dos produtos brasileiros dentro da Macy's foi criada a marca Be Brasil. A marca deverá permanecer ativa em outras atividades da Apex nos Estados Unidos, como na Fórmula Indy, uma das categorias de automobilismo mais popular do país.

Desde 2009, a entidade utiliza o ambiente das corridas para promover a parceria e divulgação de negócios brasileiros. No ano passado, segundo a entidade, a geração de negócios foi de US$ 897,6 milhões - em 2009, o valor estimado era de US$ 340 milhões.

A direção da Macy's também se comprometeu a repassar 1% das vendas dos produtos brasileiros para a organização The Nature Conservancy com o objetivo de doar recursos para proteger a Floresta Amazônica. A intenção é arrecadar US$ 1 milhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.