Madeira vê atuação do PT em fracasso do leilão da Cesp

Uma mistura de fatores políticos e técnicos teria contribuído para o cancelamento do leilão de privatização da elétrica estatal paulista (Cesp), avaliou o do deputado Arnaldo Madeira (PSDB-SP). Para ele, a não garantia de renovação das concessões que vencem em 2015 pode ser apontada como um entrave técnico. Mas o deputado entende também que viabilizar recursos para o governo tucano em São Paulo não seria o desejo do PT. "Houve o interesse do governo federal em não ajudar o governo de São Paulo e os investidores, que queriam jogar o preço para baixo", disse o tucano. Para deputados do PSDB, não há como desvincular o componente ideológico, já que o PT é contra a privatização. "A Cesp é um patrimônio importante e nas condições que o leilão foi feito o melhor é a manutenção da empresa", reagiu o senador Aloizio Mercadante (PT-SP).Do ponto de vista técnico, o petista afirma que, já que o mercado não estava disposto a pagar o preço mínimo, o leilão não poderia ser realizado. As empresas pré-identificadas para o leilão não depositaram as garantias exigidas dentro do prazo específico. O governador José Serra tratou na semana passada com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a questão das concessões e, apesar da conversa, o governo não garantiu a renovação das concessões das hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira, que vencem em 2015.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.