Magazine Luiza
Magazine Luiza

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Magazine Luiza é um dos assuntos mais comentados no Twitter por trainee só para negros

A empresa anunciou na sexta-feira que aceitará apenas negros em próximo programa de trainee

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2020 | 18h01

A decisão do Magazine Luiza em colocar apenas negros no próximo programa de trainees, antecipada pelo Broadcast/Estadão, está entre os assuntos mais comentados do momento no Twitter neste sábado, 19.

A decisão da empresa abriu uma disputa nas redes sociais entre os que elogiam a medida e aqueles que acusam o Magalu de "racismo reverso" com brancos, usando a hashtag #MagazineLuizaRacista.

Segundo o Magalu, o objetivo da empresa com o programa é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, recrutando universitários e recém-formados de todo Brasil, no início da vida profissional.

Entre os críticos da iniciativa está o vice-líder do governo na Câmara, deputado Carlos Jordy (PSL-RJ). O deputado afirmou que está entrando com representação no Ministério Público contra a empresa para que seja apurado crime de racismo.

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, faz coro às acusações de racismo. "Magazine Luiza terá que instituir Tribunal Racial no seu RH para evitar que pardos e brancos consigam fraudar o processo seletivo que é exclusivo para pretos. Portanto, terá que fazer a análise do fenótipo dos candidatos, prática identificada com o nazismo."

Já a deputada federal Benedita da Silva (PT) compartilhou a notícia do programa de trainee em sua conta na rede social e destacou que a Magalu tem 53% de pretos e pardos em seu quadro de funcionários, mas apenas 16% deles em cargos de liderança. 

Tudo o que sabemos sobre:
Magazine LuizaTwitterinclusão racial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.