André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Maia acerta com líderes votar mudanças na repatriação, mas recua pela 5ª vez

Presidente da Câmara disse ter recebido um telefonema do ministro da Secretaria de Governo com o pedido de deixar de lado a matéria

Carla Araújo e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2016 | 11h36

BRASÍLIA - Pouco depois de se reunir com líderes e considerar a possibilidade de pautar novamente, para a próxima segunda-feira, 24, o projeto que flexibiliza as regras do programa de repatriação de recursos enviados ilegalmente ao exterior, o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, disse ter recebido um telefonema do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, com o pedido de deixar de lado a matéria. A nova desistência de pautar o projeto  representou o quinto recuo do parlamentar em relação à votação da proposta.

"Não voltou a pauta não. Governo tem muita preocupação, não com o mérito da matéria que vai ser votada, mas com o prazo. Então não tem nada resolvido. Isso o governo tem razão e pode gerar uma instabilidade porque semana que vem já é o prazo final da repatriação e não dá pra entrar de qualquer jeito", afirmou.

Maia disse que apesar de existir um "ambiente positivo na base para votar" seria preciso alinhar com o presidente do Senado, Renan Calheiros, e com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles para anunciar a votação de forma coletiva e que "um movimento nosso agora pode gerar mais problema do que solução".

O presidente disse ainda que como ainda "não tem essa clareza" sobre o que acontecerá prefere dizer para "aqueles que podem nos ouvir pelos meios de comunicação que a decisão, até o momento não será modificada. Que o prazo está dado até 30 de outubro e que aqueles que têm dinheiro para repatriar que o façam até esse prazo." 

Maia confirmou que havia acertado com os líderes colocar o tema em pauta novamente, mas explicou que ao sair do café da manhã recebeu a ligação de Geddel e por isso o novo recuo. "Vamos deixar do jeito que está. Conversei com a maioria dos lideres depois da conversa que tive com o ministro Geddel, acho que tem que tomar cuidado, essa é uma matéria muito séria, muito grave para gente ficar nessa posição", disse. 

O presidente ponderou que sabe da preocupação dos governadores e prefeitos por conta da situação financeira, que o acordo construído era "muito bom", mas que é preciso tomar cuidado se não "daqui a pouco a expectativa de arrecadação com a lei pode vir até um resultado muito pior". "O governo federal está precisando de recurso, a gente não pode abrir mão destes recursos e a insegurança é muito pior do que a mudança da lei", afirmou. 

Fontes do Planalto afirmam que a lei como está é adequada e que não seria necessária a mudança. Maia confirmou que o governo tem essa posição, "mas sabe que as mudanças propostas são positivas". "Isso eu já ouvi de todos os principais ministros que tratam da matéria."

Vai e volta. O primeiro recuo aconteceu na semana passada. Em 11 de outubro, o presidente da Câmara anunciou que não colocaria mais a proposta em votação, após não conseguir acordo com o PT para votação simbólica do projeto no plenário da Casa.

Na mesma semana, aconteceu o segundo recuo. Maia admitiu que pautaria novamente o projeto, desde que houvesse acordo com o PT e governadores sobre a parcela da multa arrecadada com a repatriação a que Estados e municípios teriam direito.

Na última segunda-feira, 17, porém, Maia recuou pela terceira vez. Em nome do presidente da Casa, o relator do projeto, deputado Alexandre Baldy (PTN-GO), afirmou que a proposta não seria mais votada, pois PT, governadores e União não tinham chegado a acordo.

O quarto e o quinto recuos vieram nesta quarta-feira. Pela manhã, Maia acordou em café da manhã com líderes da base aliada que pautaria o projeto na próxima segunda-feira, 24. Pouco tempo depois, porém, voltou atrás e disse que a proposta não será mais votada.

Ligado ao mercado financeiro, Maia é o principal fiador das mudanças nas regras do programa de repatriação. Na maioria das vezes, foi ele que comandou as negociações com PT e equipe econômica sobre o projeto, apesar de ter escolhido Baldy como relator.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.