Felipe Rau / Estadão
Felipe Rau / Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Maia defende sanção de socorro aos Estados e municípios ainda nesta semana

Aprovado pelo Congresso no dia 6 de maio, projeto que prevê repasse de R$ 60 bilhões a Estados e municípios aguarda sanção do presidente Jair Bolsonaro

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2020 | 15h44

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta terça-feira que o presidente Jair Bolsonaro sancione a ajuda a Estados e municípios ainda nesta semana. Segundo ele, há risco de, em caso de demora, gerar a necessidade de uma segunda onda de ajuda a governadores e prefeitos.

O projeto aprovado pelo Congresso prevê o repasse de R$ 60 bilhões a Estados e municípios. Maia lamentou a demora em sancionar a proposta e disse que achava que, do jeito como foi aprovada, a proposta tinha consenso entre Câmara, Senado e governo

Deputados e senadores pouparam várias carreiras do congelamento de salários no projeto de socorro aos Estados e municípios, principalmente as de segurança, com o aval do presidente Jair Bolsonaro. Depois, o presidente mudou o discurso e disse que vetaria as exceções, da forma como pediu o ministro da Economia, Paulo Guedes. Agora, porém, Bolsonaro fala em buscar acordo Maia e governadores sobre a possibilidade de reajustes aos servidores até o fim de 2021.

Maia disse que na conversa que teve com Bolsonaro, na quinta-feira passada, sugeriu ao presidente sancionar a medida durante uma reunião virtual com os governadores.  “O que eu falei pro presidente é que seria uma boa uma reunião na hora da sanção”, disse.  “O gesto de uma reunião seria simbólico e importante”, afirmou.

Como o Estadão/Broadcast mostrou ontem, Bolsonaro passou a disparar convites nesta segunda, 18, a governadores para participarem de uma reunião por videoconferência na próxima quinta-feira, 21.  De acordo com os chefes dos Executivos estaduais, o chamado foi feito sob o pretexto de discutir a sanção do projeto de socorro aos Estados e municípios  e o veto ao trecho do texto que permite o aumento salarial para servidores públicos até 2021.

O Palácio do Planalto ainda não confirmou a agenda, mas 11 governadores  das cinco regiões do país admitiram ao Estadão/Broadcast terem sido convocados para a reunião às 10h de quinta-feira. Entre eles, os líderes de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) e o de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), do Amapá, Waldez Góes (PDT). Desafetos políticos de Bolsonaro, os governadores de São Paulo,  João Doria (PSDB), e do Rio de Janeiro, Wilson Wtizel, também foram chamados.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.