Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Vou decidir até amanhã se temos 308 votos para Previdência', diz Maia

O presidente da Câmara disse ainda ter dúvidas se o eventual adiamento da votação da reforma para 2018 torne mais difícil a aprovação da matéria, em razão da maior proximidade com as eleições

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 12h06

BRASÍLIA  - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na tarde desta quarta-feira, 13, que decidirá entre hoje e amanhã (14) se pautará a votação da reforma da Previdência no plenário da Casa na próxima semana. Em rápida entrevista após reunião na liderança do PSDB no Senado, ele disse que a situação para aprovar a matéria é "bem melhor" do que antes.

"Está melhorando, está melhorando (a situação para aprovar a reforma). Acho que, hoje, a gente vive um situação bem melhor do que nas últimas semanas. Ela vai continuar melhorando, e a gente vai avaliar se esse crescimento chega a 308 votos na terça-feira", afirmou o parlamentar fluminense.

+ +Temer quer emplacar a reforma tributária em 2018

Maia rechaçou que uma eventual votação do Orçamento da União de 2018 nesta terça-feira pelo Congresso Nacional inviabilize a votação da reforma na próxima semana, ao esvaziar o parlamento. "Não necessariamente. A gente vai decidir entre hoje e amanhã se já tem os 308 votos para votar a Previdência, independente de Congresso", afirmou.

O presidente da Câmara disse ainda ter dúvidas se o eventual adiamento da votação da reforma para 2018 torne mais difícil a aprovação da matéria, em razão da maior proximidade com as eleições. "Tenho dúvida. Para mim, tanto faz. Acho que o tema não sai da pauta. Pode votar agora ou depois. Dá no mesmo. O importante é ter os votos", declarou. 

"O relator (deputado Arthur Oliveira Maia, PPS-BA) vai apresentar relatório amanhã (quinta), vai ter algum debate. Se confirmada a votação na próxima semana, o debate vai se estender amanhã o dia inteiro. Se não, acho que vai ter um debate menor amanhã e ele volta em fevereiro. Vai depender da data que a gente marque", disse Maia. "Mas pode ter certeza, quando eu der a data, é para aprovar", emendou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.