Maia diz que modelo de privatização da Eletrobrás privilegia acionistas atuais

Segundo o presidente da Câmara, negociação no Senado para incluir renovação antecipada de usina seria o motivo pelo qual o projeto de privatização da Eletrobrás 'não andou' na Casa

Anne Warth e Camila Turtelli - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 3 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 3 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

BRASÍLIA - O modelo de privatização da Eletrobrás está sob suspeição e as mudanças propostas pelo governo no projeto podem beneficiar os atuais acionistas, acusou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele desafiou o ministro da Economia, Paulo Guedes, a dizer a verdade sobre a proposta. “É por isso que o projeto não andou na Câmara”, disse durante o evento do Lide, empresa fundada pelo governador de São PauloJoão Doria (PSDB-SP), adversário político do presidente Jair Bolsonaro

Maia não deixou claro, mas fez referência à intenção do governo de incluir a renovação antecipada da usina hidrelétrica de Tucuruí na privatização da companhia. Esse item não está no texto enviado ao Congresso, mas está em negociação no Senado – é por isso que o governo cogitou iniciar a tramitação da proposta lá, e não na Câmara. A proposta, enviada em novembro do ano passado, até hoje não tem nem comissão especial, nem relator.

Condições do governo estariam impedindo votação de projeto de privatização da Eletrobrás. Foto: Fábio Motta/Estadão

Se Tucuruí entrar no projeto, o valor do bônus de outorga que será pago ao governo, estimado em R$ 16,2 bilhões, pode subir para até R$ 25 bilhões, como revelou o Estadão/Broadcast em agosto.

Maia ainda foi irônico e disse ter ficado “empolgado” com a promessa feita há alguns meses por Paulo Guedes, de que anunciaria a privatização de quatro estatais em 90 dias. “Estou procurando as privatizações, por um lado, por outro. Nenhuma”, afirmou.

“E a única (privatização) que ele (Guedes) colocou está sob suspeição, que é a Eletrobrás, porque está negociando modelagem para beneficiar acionistas incluindo uma usina cuja concessão vence agora”, disse Maia, provavelmente se referindo a Tucuruí, uma das maiores hidrelétricas da Eletronorte, cuja concessão vence em 2024.

“Está sob suspeição e é por isso que ela não andou na Câmara”, disse, negando ainda que o motivo de o projeto não ter andado tenha sido um acordo feito entre Maia e a oposição, “como o ministro fala”. “Isso vai beneficiar os acionistas atuais da Eletrobrás. E quero ver o ministro falar que é mentira o que estou falando, porque a equipe dele fala isso”, disse.

Privatizações

Maia ainda questionou onde estão as outras três privatizações prometidas por Guedes. “Cadê o projeto de lei dos Correios? Docas?”, afirmou. “Aliás, aqui entre nós, para uma despesa de R$ 600 bilhões, ele (Guedes) tratar o assunto da privatização como uma urgência, desculpa, com todo o respeito, é até brincadeira”, disse, em referência aos gastos adicionais autorizados neste ano pelo Congresso durante o ano de 2020 em razão da pandemia do novo coronavírus.

No mês passado, Guedes admitiu estar “bastante frustrado” com os erros de sua própria pasta podem ter contribuído para a demora na evolução das privatizações. “Houve alguma hesitação de ministérios (na privatização de estatais), no nosso próprio ministério houve falhas”, afirmou Guedes, sem citar quais seriam essas falhas ou quais empresas esbarraram nas resistências de outros órgãos do governo. Ele apenas admitiu que jogou “quase dois anos na defesa”, sem atacar a frente das privatizações.

Ainda no início da gestão do presidente Jair Bolsonaro, ministérios setoriais já davam sinais de discordância com algumas privatizações ou extinções de empresas pretendidas pela equipe econômica.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Maia diz que reforma tributária tem votos para ser aprovada, mas 'vitória' não será dada a ele

Segundo o presidente da Câmara, proposta tem seu 'carimbo' e não vai ser votada porque é a 'reforma do Rodrigo Maia'; ele também disse que governo está fazendo manobras para enfraquecê-lo

Anne Warth e Camila Turtelli - O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira, 11, que a reforma tributária não será aprovada neste ano porque a proposta tem seu “carimbo” e o governo não quer dar a ele essa vitória. 

Isso porque o governo quer derrotar o candidato, a vir ser apoiado por Maia, à sucessão da Câmara. “A reforma tributária está pronta, tem voto e não vai ser votada porque é a reforma do Rodrigo Maia. Só por isso”, disse o deputado durante o evento do Lide, empresa fundada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), adversário político do presidente Jair Bolsonaro

Maia disse que está assustado com o fato do governo ter atrasado a votação da PEC Emergencial. Foto: Najara Araújo/Agência Câmara

Segundo Maia, a indústria apoia a unificação de vários impostos no IVA para dar competitividade ao setor, ainda que o setor de serviços tenha críticas à proposta. “Estamos abrindo mão de fazer uma reforma que até a esquerda quer votar porque vai dar a vitória ao Rodrigo Maia”, disse ele, explicando que aproveitaria o evento para “prestar contas”. “Não vamos ter reforma tributária do IVA por briga política.”

A reforma tributária em tramitação na Câmara (PEC 45) substitui 5 tributos (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS) pelo IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). A alíquota estimada para não alterar a arrecadação é entre 20% e 25%. A receita é compartilhada entre União, Estados e municípios. A proposta prevê cobrança não cumulativa (quem está no meio da cadeia recebe como crédito o que foi pago pelo fornecedor) e com desoneração de investimentos e exportações. Haveria ainda um tributo federal seletivo sobre cigarros e bebidas.      

Maia disse que “nenhum parlamento no mundo conseguiu construir com tanta agilidade, e modéstia à parte, com tanta competência, uma emenda constitucional para dar todas as condições para que o governo pudesse enfrentar a pandemia, que foi a PEC da guerra”. O orçamento de guerra permitiu ao governo gastar mais neste ano sem as "amarras" das regras fiscais. A previsão é que o rombo nas contas públicas seja de R$ 844,6 bilhões neste ano.

Ele se disse "assustado" pelo fato de que o governo tenha atrasado a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, que tinha o papel de dar tranquilidade para a transição rumo a 2021, acabando com a PEC da guerra e suas despesas extraordinárias e o estado de calamidade em razão da pandemia da covid-19.

“Para esse governo é uma incoerência falar em calamidade, porque até hoje ele não reconheceu que há uma pandemia e que as pessoas estão morrendo”, afirmou. A ideia, segundo ele, era criar um espaço para aumentar a abrangência do Bolsa Família e garantir a redução do déficit primário (o rombo nas contas) ao longo dos próximos anos.

“Não temos só o problema do teto de gastos, nós temos o problema do déficit primário e da dívida pública, e essa trajetória tranquila não está tranquila”, disse. Maia disse que o teto de gastos, entre a metade do ano passado e a deste ano, foi corrigido em 2%, enquanto o salário mínimo, que indexa boa parte das despesas, terá alta de 5% - uma diferença de 3% em termos reais.

Corte de gastos

Ainda sobre a PEC emergencial, que prevê medidas de corte de gastos, Maia disse que o governo fez um “cambalacho” para tirar o texto da Câmara e levar ao Senado apenas para tentar enfraquecer a Casa.  “Até o que é emergencial não é votado no Brasil”, disse ele, ressaltando ser menos otimista que André Esteves, sócio do BTG Pactual.

“Agora mais uma vez temos uma decisão do relator (senador Márcio Bittar, do MDB-AC) de não votar porque tinha eleição municipal, depois segundo turno, e agora vamos entrar em um grande abismo fiscal no próximo ano no Brasil porque o que Guedes disse que era emergencial não”, disse Maia.

Para Maia, mesmo com o confronto político, mais uma vez será a Câmara que votará os gatilhos para resolver o problema do endividamento dos Estados e liberar recursos de fundos. Ele disse ter recebido um pedido do senador Márcio Bittar para incluir os gatilhos do teto de gastos no relatório do projeto de lei do antigo Plano Mansueto, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ)

Maia disse não saber se essa proposta é ou não constitucional, mas ressaltou que “não temos outra saída”. Segundo ele, isso permitirá a melhor administração da dívida pública e a liberação de bilhões em recursos empossados.

Maia disse que o setor privado precisa abrir mão dos subsídios a que tem direito, assim como a elite do funcionalismo público, que proporciona salários médios elevados e o atingimento do topo da carreira em cinco anos. “Temos uma péssima qualidade do nosso gasto público”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.