Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Maia diz que privatização da Eletrobrás fica mais difícil com Moreira Franco

Presidente da Câmara disse que pediu que Carlos Marun assuma negociações políticas porque o novo ministro tem 'uma articulação muito ruim'

Daiene Cardoso e Anne Warth, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 22h33

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que pediu ao ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, que assuma as articulações políticas em torno do projeto de privatização da Eletrobrás.

Na avaliação dele, a escolha do novo ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, em substituição a Fernando Coelho Filho, dificulta a tramitação do projeto de lei de privatização da Eletrobrás.

+ Privatização da Eletrobrás emperra em comissão na Câmara

"Fiquei preocupado. A base não consegue colocar quórum com a boa articulação que o ex-ministro Fernando tem aqui na Câmara. Com o novo ministro, que tem uma articulação muito ruim aqui na Câmara, fiquei preocupado e pedi ao Marun que articulasse melhor isso. Se já estava difícil, com um articulador pior, as chances de não avançar são muito grandes. Como sou a favor do projeto, alertei a base e o ministro", disse Maia, ao Estadão/Broadcast.

O projeto já enfrenta dificuldades na comissão especial da Câmara, onde a oposição, que é minoria, tem conseguido obstruir os trabalhos.

Em reunião realizada hoje (10) com líderes partidários, Maia disse que as chances de a proposta prosperar são pequenas, pois Moreira Franco não tem uma boa relação com o Congresso Nacional. Para avançar, a articulação política do governo tem que melhorar muito, disse o deputado. Uma outra liderança da Câmara disse que, agora, com Moreira Franco, a comissão especial e o projeto de lei "afundam de vez".

+ Prioridade de Moreira Franco é privatização da Eletrobrás, diz presidente da estatal

Fernando Coelho Filho deixou o cargo de ministro para concorrer às eleições. Ele era do PSB, mas deixou o partido no ano passado. Há duas semanas, filiou-se ao MDB, mas depois de conflitos com o diretório regional de Pernambuco, decidiu migrar para o DEM.

A transferência para o DEM tirou do ex-ministro cacife para indicar como seu sucessor o secretário-executivo da Pasta, Paulo Pedrosa, para a sucessão do Ministério de Minas e Energia, em um momento que o MDB reivindicava a retomada do controle da pasta. Moreira Franco, que precisa de foro, deixou a Secretaria-Geral da Presidência da República e assumiu o MME.

+ Moreira Franco cai em rampa do Planalto após cerimônia de posse

Deputados da base aliada admitem que não há mobilização do governo em favor da tramitação rápida do projeto que permite a privatização da Eletrobras. Incomodado com a letargia do Palácio do Planalto, o relator José Carlos Aleluia (DEM-BA) já disse que pode desistir das discussões e levar o projeto de lei para votação direta no plenário da casa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.