Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Maia e Alcolumbre tentarão acelerar reforma, diz Flávio Bolsonaro

O senador também afirmou que algumas mudanças na proposta ao longo da tramitação 'são parte do processo legislativo'

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2019 | 16h32

RIO - O senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) afirmou nesta terça-feira, 19, que parlamentares já amadureceram a necessidade de aprovar a reforma da Previdência, e que o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, e da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia, estão comprometidos em dar agilidade ao trâmite do projeto. Ele admitiu, porém, que algumas mudanças na proposta ao longo da tramitação "são parte do processo legislativo".

"Eu acho que o Senado vai cumprir seu papel também. Não acredito que vá passar, que vá ter essa possibilidade de ter um acordo para que o Senado não modifique em nada o que vier da Câmara dos Deputados. Faz parte do processo legislativo. Agora, há um compromisso dos presidentes das duas Casas de acelerarem a tramitação da proposta. E, sem dúvida, os parlamentares já estão bem amadurecidos da necessidade de aprovar essa reforma (da Previdência) sem muitos retalhos", declarou.

Questionado sobre o relator da comissão especial de acompanhamento da reforma da Previdência, Tasso Jereissati (PSDB-CE), Flávio Bolsonaro declarou acreditar no comprometimento do colega senador com a proposta. A comissão especial foi criada na última quinta-feira, 14, pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e será presidida pelo senador Otto Alencar (PSD-BA).

"O Tasso é uma pessoa comprometida com essa pauta também, como o PSDB também é, sabe da importância dela. Contamos com ele para aprovar o quanto antes essa reforma lá no Senado Federal", disse Flávio Bolsonaro a jornalistas, após participar da solenidade de abertura da 53ª Convenção Abras, da Associação Brasileira de Supermercados, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.