Andre Dusek|Estadão
Andre Dusek|Estadão

Maia minimiza atritos com o governo e diz que o importante é desmobilizar grevistas

Após encontro com Temer, o presidente da Câmara dos Deputados diz que atritos decorrentes da greve dos caminhoneiros se deram por 'visões distintas' entre ele e o Palácio do Planalto

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 20h49

BRASÍLIA - Após encontro com o presidente Michel Temer durante a tarde, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), minimizou na noite desta segunda-feira, 28, possíveis atritos entre ele e o governo em razão da crise provada pela greve dos caminhoneiros. Ele afirmou que o "mais importante" agora é conseguir a desmobilização dos grevistas, construir soluções e que a pauta de reivindicações dos manifestantes avance no Congresso Nacional.

"Isso já passou. O importante agora é que o governo avançou nessa pauta, dando desconto equivalente a zerar o PIS-Cofins do óleo diesel. Então essa pauta está passada.", afirmou Maia ao chegar à Câmara. "O que a gente precisa agora é olhar para frente. O que aconteceu, alguns estavam certos, outros errados, mas o mais importante é que se reestabeleceu o diálogo.", completou, ressaltando que se encontrou com Temer e com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

AO VIVO: Acompanhe notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto

Maia disse que os atritos que aconteceram foram motivados por "visões distintas" sobre o tema entre ele e o Palácio do Planalto e uma "priorização exclusiva" da questão fiscal por parte do governo. "Sempre disse que a minha posição, e vai continuar sendo, é que a melhor forma para você compensar aumentos maiores no preço do Petróleo é em cima dos impostos regulatórios.", declarou. 

Querstionado sobre a declaração do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sobre a existência de infiltrados na greve dos caminhoneiros, o presidente da Câmara afirmou que é possível, mas que agora é o importante é desmobilizar os caminhoneiros.

"Acho que pode ter um pouco de tudo, mas o que precisa agora é ter equilíbrio", disse. Segundo ele, o dano à economia será muito grande se isso não ocorrer nas próximas horas", afirmou. Pelas contas dele, com a crise, o crescimento do PIB brasileiro neste ano poderá ser menor do que os 3% que projetava até então. 

Governo admite que subestimou potencial da greve e teme convulsão social

Maia afirmou ainda que, apesar de ter errado no cálculo da renúncia com a alíquota zero do PIS-Cofins, não errou pela omissão. "Erro e acerto com aquilo que acredito. Tenho certeza que, independente do cálculo, o caminho era o correto. Tanto era que, de alguma forma, o governo acabou atendendo aquilo que a Câmara fez na quarta-feira, sem vitoriosos e sem derrotados.", declarou. "O importante é que a pauta avance.", minimizou novamente.

/ Colaborou Neila Almedia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.