Wilson Junior/Estadão
Wilson Junior/Estadão

Maia sinaliza votar a reforma da Previdência com votos favoráveis 'no limite'

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que o 'ideal' é que a matéria vá à votação quando o governo tiver certeza de que tem 330 votos a favor, mas que, no limite, pode dar início à votação com 315 votos

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2017 | 12h46

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira, 12, que a "intenção" dele é começar a votação da reforma da Previdência no plenário da Casa na próxima terça-feira, 19. Ele disse que o "ideal" é que a matéria vá à votação quando o governo tiver a certeza de que tem 330 votos a favor da proposta, mas ressaltou que, "no limite", pode dar início à votação com 315 votos. O parlamentar fluminense, porém, ressaltou que continua achando "muito difícil" conseguir os apoios necessários para votar a reforma na próxima semana.

+ Aproveito a impopularidade para fazer o que o Brasil precisa, diz Temer

"Nossa intenção é votar na próxima semana. É começar a discussão na quinta-feira (14), começar a votação na terça-feira (19) de manhã, pelo menos", disse Maia em entrevista na Câmara. O parlamentar fluminense informou que contará os votos até a próxima segunda-feira, 18, e cobrou empenho dos líderes da base aliada e do novo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB-MS), que toma posse na quinta-feira, 14, para alcançar os 308 votos mínimos necessários para aprovar a reforma na Casa. "A gente precisa que os líderes da base e o novo secretário de Governo organizem os votos para que a gente tenha tranquilidade", declarou.

Maia afirmou que o fechamento de questão por parte de alguns partidos para obrigar deputados a votarem a favor da reforma deve ajudar a alcançar os votos, na medida em que ajuda o deputado a se justificar perante suas bases eleitorais. Até o momento, apenas três legendas decidiram fechar questão: PMDB, PTB e PPS. Partido do presidente da Câmara, o DEM deve decidir em convenção nacional marcada para esta quinta-feira, 14, se também fecha questão. "O DEM vai caminhar para dar um resultado contundente para essa votação. (...) Fechar questão às vezes é bom, porque você dá força para o voto do deputado", declarou.

+ Empresários vão a Brasília pressionar deputados a votar pela Previdência

O presidente da Câmara criticou os integrantes do governo que defendem ir para o "tudo ou nada": ou seja, votar a reforma da Previdência mesmo sem a certeza de que tem os votos necessários para aprová-la. "Se você tiver 279, 270 votos ir para o tudo ou nada significa o que: se jogar do 30º andar sem rede, sem para-quedas. Eles que se joguem. A Câmara vai votar se tiver voto. Essa é uma matéria muito importante para o Brasil. Se a gente estiver longe dos 308 e botar para votar, em vez de ter 280, vai ter 150 votos no plenário", afirmou o parlamentar fluminense.

+ Placar da Previdência: veja intenção de votos dos deputados

Maia ressaltou que não mudou de opinião de ontem para hoje e que continua dizendo que é "muito difícil" votar na próxima semana. Mesmo pessimista, afirmou que não vai "jogar a toalha em momento nenhum". "Esse tema só sai da pauta quando for votado, e espero que seja votado neste ano ou, no máximo, no início do ano que vem", declarou. Na avaliação dele, o cenário está melhorando, com a ajuda dos meios de comunicação e da propaganda que o governo vem fazendo a favor da reforma. "Não estou preocupado com (efeito da reforma na) Bolsa (de Valores), estou preocupado com as futuras gerações", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.