Maior barco solar do mundo cruza Atlântico em tempo recorde

Totalmente silencioso e não poluente, catamarã faz viagem em 22 dias e coleta dados sobre o clima

03 de setembro de 2013 | 19h42

SÃO PAULO - O maior barco movido a energia solar do mundo acaba de quebrar o recorde mundial ao atravessar o Oceano Atlântico em apenas 22 dias.

O navio ambientalmente correto quebrou o recorde anterior de 26 dias graças ao seu design inteligente e também à força de 809 painéis com 29.124 células de captação de energia solar.

Totalmente silencioso, o maior barco solar do mundo fez sua última escala em Londres antes de seguir para Paris.

O MS Turanor PlanetSolar tem estrutura leve de fibra de carbono e 512 metros quadrados de células fotovoltaicas.

Pesquisas. Lançado na Flórida, a expedição em águas profundas coletou dados ao longo da corrente do Golfo para ajudar os cientistas a ter uma melhor ideia da mudança climática

A coletou uma série contínua de medidas físicas e biológicas ao longo da corrente do Golfo, a partir da água e da atmosfera, utilizando instrumentos avançados a bordo.

O catamarã ecológico com seus painéis solares pode gerar 480 kWh em um dia ensolarado.

A embarcação é uma plataforma de investigação científica para a Universidade de Genebra, e tem velocidade máxima de 14 nós. Comporta até nove tripulantes.

 

Liderada pelo professor Martin Beniston, climatologista e diretor do Instituto de Ciências Ambientais, a equipe de cientistas estudou os principais parâmetros de regulação do clima, com foco em aerossóis e fitoplâncton, segundo reportagem do jornal Daily Mail.

Clima. O objetivo do estudo é melhorar a compreensão das interações complexas entre o oceano e a atmosfera, bem como o papel dessas interações na mudança climática.

O barco tem 35 metros de comprimento e 23 metros de largura. Os painéis fotovoltaicos abastecem seis blocos de baterias de lítio-íon.

Um veleiro leva cerca de 35 dias para cruzar o oceano Atlântico. A universidade acredita que demonstrou as possibilidades da energia solar para as viagens marítimas, com implicações enormes para o turismo e os transportes sustentáveis no futuro.

O navio científico tem uma estrutura de carbono e seu nome é inspirado na mitologia literária de JRR Tolkien e, literalmente, significa "poder do sol".

Tudo o que sabemos sobre:
Energia solar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.