Maior credor privado da Argentina rejeita proposta

O grupo internacional Agência para a Reestruturação de Bônus Argentinos (Argentine Bond Restructuring Agency-Abra), que anunciou sua rejeição ao swap argentino (troca de títulos da dívida), é o maior detentor privado de bônus argentinos em default (calote). Comandado pelo economista norte-americano Adam Lerrick e pelo ex-ministro de Finanças do México, Angel Gurría, o grupo representa detentores de papéis no valor de US$ 1,2 bilhão.Com poder de voto de seus filiados, principalmente alemães e austríacos, além de outros investidores de varejo europeus, a Abra integra o famoso Comitê Global de Credores Argentinos (GCAB, conforme sua sigla em inglês), presidido pelo italiano Nicola Stock e o alemão Hans Humes.Os representantes do GCAB iniciaram hoje uma apresentação contra a troca de títulos da dívida, paralelamente à apresentaçã a favor da troca que a equipe econômica de Roberto Lavagna realiza na Europa e nos Estados Unidos. Porém, o GCAB não possui mandato de negociação de seus filiados, motivo pelo qual sua representatividade é questionada pelo governo. Já a Abra não tem sua legitimidade questionada, justamente por possuir poder de voto dos detentores de bônus aos quais representa. Por isso, sua decisão contrária à oferta argentina é um duro golpe para o governo de Néstor Kirchner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.