ALEX SILVA|ESTADÃO
ALEX SILVA|ESTADÃO

Maior restaurante da cidade abrirá filial

Maior restaurante da cidade, a Churrascaria Estrela do Sul abrirá uma filial próxima às instalações da fábrica da Mercedes com capacidade para atender 350 pessoas ao dia. “A nova unidade será mais requintada”, diz o sócio da empresa, o gaúcho Elizandro Silveira, de 35 anos. A intenção é atender principalmente gerentes e diretores da montadora e os fornecedores de equipamentos e serviços que visitarão o local diariamente.

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2015 | 20h58

O restaurante atual, no centro da cidade, foi aberto em 2004, quando Silveira mudou-se para lá. No início deste ano, tinha capacidade para atender 140 pessoas. Com o aumento da clientela, formada principalmente por funcionários das obras da fábrica e fornecedores de serviços, Silveira alugou um imóvel ao lado da churrascaria e ampliou a capacidade para 240 pessoas.

O número de funcionários aumentou de 20 para 25. Para o novo empreendimento, que começará a ser construído em março, ele calcula que serão geradas mais 35 a 40 vagas.

Na perfumaria Cheiro Doce, inaugurada há 25 anos, a proprietária Roseli Aparecida Basso Donatti, de 53 anos, diz que nos últimos cinco meses as vendas cresceram 10%. “Atendemos muitos prestadores de serviços da Mercedes que vêm aqui com crachá”, diz. “O movimento só não foi melhor por causa da crise”, afirma ela, para quem a inauguração da fábrica deverá “agitar ainda mais o comércio local”.

Aos sete anos, Regina Nunes Cláudio foi ajudar o pai no trabalho de corte de cana, junto com os oito irmãos. A família morava nas terras da antiga Usina Boa Vista, mais tarde integrada à Usina Iracema. “Trabalhei na roça até os 20 anos”, conta ela. Hoje com 60 anos, é dona de uma loja de roupas femininas e masculinas, a Realce.

No comércio há 33 anos, ela diz que 40% da clientela atual é formada por pessoas ligadas às obras da Mercedes. “Se não fosse esse pessoal, esse ano teria sido ainda pior”, afirma Regina, que calcula uma queda de 20% nos negócios. A expectativa é que o início das operações da montadora traga mais gente à cidade e, claro, mais clientes para a loja.

Nos últimos dois anos o número de imobiliárias em Iracemápolis dobrou, de três para seis. Após 12 anos sem um novo empreendimento imobiliário, um grupo de construtoras fez um loteamento com 900 terrenos em 2014 “e todos já estão vendidos”, diz Vicente Cosenza Filho, dono da Imobiliária Supremacia.

Em uma grande área ao lado da fábrica, um grupo de investidores planeja construir um complexo com hotel – o primeiro da cidade –, condomínio residencial, lojas de comércio e restaurantes. É nesse terreno que Silveira comprou lote para construir seu segundo restaurante. O nome do grupo investidor, por enquanto, é mantido em sigilo.

Mais conteúdo sobre:
Silveira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.