Maior usina de energia solar é inaugurada

A primeira usina de geração de energia solar do Estado de São Paulo e a maior do Brasil foi oficialmente inaugurada ontem, em Campinas. Com capacidade de produção de 1,1 megawatt (MW), a estação é capaz de abastecer até 657 clientes por mês com um consumo médio de 200 quilowatts/hora (KWh).

RICARDO BRANDT, ESPECIAL PARA O ESTADO/CAMPINAS , O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2012 | 02h04

A CPFL Energia investiu R$ 13,8 milhões na subestação Tanquinho para implantar o sistema de captação que usa a energia fotovoltaica obtida por intermédio da conversão direta da luz solar em eletricidade.

O projeto aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) foi desenvolvido pela CPFL, com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e empresas associadas.

São quase 4 mil placas dispostas em três agrupamentos, na subestação que fica próximo a Jaguariúna, no interior de São Paulo.

O complexo, que já está abastecendo a rede de Campinas, serve também para estudos para a inserção da geração fotovoltaica na matriz energética brasileira.

"Podemos aqui verificar as melhores tecnologias para cada região do Brasil", explicou o diretor da CPFL Serviços, Rubens Bruncek Ferreira.

Em uma área de 13.700 metros quadrados da subestação Tanquinho, a nova estação gerará aproximadamente 1,6 GWh/ano.

Um dos motivos que levou a escolha do local foi o fato de ser dentro de uma subestação, dispensando a necessidade de construção de rede de transmissão e reduzindo as perdas.

Mercado imobiliário. RubensFerreira afirmou que, apesar de ser uma matriz energética ainda nova no país, a empresa espera que até 2014 ela seja bastante competitiva para ser vendida de forma massificada. "Nesse cenário, São Paulo é o grande mercado para venda ao setor imobiliário", comentou.

O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, afirmou que a estação é um primeiro passo para uma transformação na matriz energética que pode ser encabeçada pelo Estado. "O governo pode incentivar esse tipo de produção", adiantou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.