Maioria da UE vê o euro com olhos negativos, diz pesquisa

A maior parte dos moradores da França, Alemanha, Espanha e Itália acreditam que o euro prejudicou suas economias nacionais, segundo revelou uma pesquisa divulgada pelo jornal Financial Times (FT).A pesquisa FT-Harrys descobriu que mais da metade dos entrevistados que moram em países da zona do euro afirmaram preferir suas antigas moedas, disse o jornal na edição desta segunda-feira, 29.Segundo o diário, na França, Itália e Espanha, mais de dois terços das pessoas questionadas afirmaram acreditar que a moeda única havia tido um "impacto negativo" sobre a economia de seus países. Além disso, mais da metade dos entrevistados na Alemanha disseram que se sentem da mesma forma.No entanto, um número maior de moradores da Alemanha, Itália e Espanha acreditava que o euro havia antes ajudado do que prejudicado a economia da União Européia (UE) como um todo. O panorama na França era o inverso.A pesquisa também descobriu que a maioria dos adultos dos maiores países da Europa acreditavam que a chegada de imigrantes havia contribuído para diminuir os salários na região. E apenas um quarto deles mostrou-se otimista a respeito da entrada no bloco, neste ano, da Bulgária e da Romênia, afirmou o FT.Entre os dias 10 e 22 de janeiro, a pesquisa entrevistou 5.314 adultos na Alemanha, França, Espanha, Itália e Grã-Bretanha (que não participa da zona do euro).A zona da moeda única européia foi ampliada para abarcar 13 países. Neste ano a Eslovênia tornou-se a primeira das dez nações que ingressaram na UE em 2004 a adotar o euro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.