Maioria dos norte-americanos vê declínio econômico, diz pesquisa

A maioria dos norte-americanosacredita que a economia do país está em declínio e que ascidades estão lidando com problemas em várias frentes, deacordo com uma pesquisa da Zogby International divulgada nestaquarta-feira. Os norte-americanos também podem contar cinco questõeseconômicas entre os dez principais problemas enfrentados pelascidades, disse John Zogby, falando em uma reunião daConferência de prefeitos dos EUA, que patrocinou a pesquisa. Entre esses problemas estão moradia acessível, o mercado demoradia, desenvolvimento do mercado de trabalho local, saúde eimpostos sobre a propriedade. No entanto, eles também estão preocupados com seu bem-estarindividual, apontou a sondagem, que ouviu 32.085 pessoas. Mais de dois terços dos pesquisados afirmaram que têm menorpoder de compra do que há cinco anos, e mais de um quarto delesdisse que o desemprego avançou nas suas cidades nesse período. Cerca de um quarto deles declarou que os desabrigadosaumentaram em suas cidades nos últimos cinco anos. Em Detroit,Orlando, Tampa e Sacramento, mais de um terço viu aumento dessapopulação sem moradia. A imigração é uma importante questão para osnorte-americanos, disse Zogby, e mais de metade dos ouvidosafirmou que leis mais rígidas sobre o assunto vão ajudar suaseconomias locais. Quase a metade acredita que a imigraçãoilegal afetou suas comunidades e dois quintos declararam quequalquer forma de imigração prejudica suas cidades. O grupo de prefeitos está estimulando as cidades a tomaratitudes contra o aquecimento global e Zogby notou que aspessoas acreditam que isso poderia ajudar as economias locaisao criar empregos no setor de meio-ambiente e atrair empresas. Apesar de Zogby não explicar que programas osnorte-americanos preferem, ele disse que a maioria dosentrevistados afirmou que eles usariam transporte coletivo seele fosse mais acessível em suas cidades. A pesquisa foi conduzida entre 21 de novembro e 12 dedezembro. (Reportagem de Lisa Lambert)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.