Mais 2 países restringem comércio com Brasil devido à aftosa

Mais dois países, Indonésia e Suíça, comunicaram ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que farão restrições comerciais ao Brasil devido à febre aftosa. Assim, sobe para 43 o número de países que impõem embargo aos produtos brasileiros.A Indonésia suspendeu, além da importação de carne, produtos processados de animais e seus derivados (sem especificação de espécies) e também a compra de farelo de soja e matérias-primas, equipamentos, maquinaria e medicamentos. O embargo vale para todo o País. O Ministério da Agricultura divulgou nota afirmando que vai protestar na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a decisão da Indonésia de suspender importações de produtos brasileiros que não têm relação com a febre aftosa."É uma preocupação exagerada, eventualmente descabida por parte da Indonésia", disse o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. Ele lembrou que no ano passado, quando foi descoberto um foco de aftosa no município de Careiro da Várzea, no Amazonas, a Indonésia também adotou medida parecida.Embargo da SuíçaO embargo da Suíça vale para Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. O país suspendeu as importações de artiodáctilos vivos (gênero que possui mais de 200 espécies entre as quais boi, cabra, camelo, o hipopótamo e porco) e seus produtos (carne e produtos a base de carne, miúdos naturais e alguns subprodutos animais). Desde o surgimento do primeiro foco de febre aftosa no município de Eldorado, no Mato Grosso do Sul, os países África do Sul, Argentina, Bolívia, Chile, Cingapura, Cuba, Egito, Israel, Moçambique, Namíbia, Noruega, Paraguai, Peru, Rússia, Ucrânia, União Européia (25 países) e Uruguai haviam comunicado restrições a produtos brasileiros.No último dia 21, suspeita de focos da doença foi identificada também no Paraná. Os resultados dos exames dos animais sob suspeita de contaminação no estado ficam prontos amanhã.O ministro reafirmou que todos os esforços estão sendo feitos para que o embargo de 43 países a produtos brasileiros seja "levantado o mais rapidamente possível". Rodrigues disse que o Brasil está demonstrando aos importadores as ações feitas pelo governo federal em parceria com outros órgãos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.