Mais da metade de cheques devolvidos são passados por mulheres

Estudo divulgado nesta quinta-feira pela Telecheque mostrou que as mulheres começaram 2006 na liderança de emissão de cheques sem fundos no País. De acordo com o "Perfil do Inadimplente", o público feminino representou 51% desta parcela no primeiro bimestre do ano, contra 49% de participação dos homens.Segundo a Telecheque, o motivo da inadimplência mais recorrente entre os consumidores é o descontrole financeiro, que representa 24% do total. O segundo motivo apontado pelos consumidores para a devolução dos cheques é o empréstimo de cheques para terceiros (16%), seguido pelo atraso salarial, com 15% das respostas. Em quarto lugar aparece como justificativa o desemprego, equivalendo a 11% das respostas dos consultados.NaturalPara a empresa de análise de crédito, "é natural" que as mulheres ganhem destaque, em relação aos homens, neste tipo de inadimplência no início de 2006, já que elas tiveram grande participação nas compras de Natal, que aquecem o comércio nos últimos meses do ano.Quanto ao perfil médio, além da maioria pertencer ao sexo feminino, os consumidores são casados (42%), com idade entre 21 e 30 anos (33%) e possuem ensino médio completo (31%). O valor médio das compras que acarretaram a inadimplência destes consumidores ficou entre R$ 50 a R$ 99, correspondendo a 29% do total.A vistaEntre as opções de compras citadas, tanto do sexo feminino quanto masculino, a realizada com cheques à vista foi a mais escolhida, com 44%. Logo em seguida, ficaram as compras em duas parcelas, significando 23% das respostas, e em três parcelas, com 28%.A pesquisa da Telecheque ouviu 1.014 pessoas, durante os meses de janeiro e fevereiro, nos 26 Estados brasileiros, além do Distrito Federal. A empresa não detalhou, porém, em quantos municípios o levantamento foi realizado.Na última terça-feira, a companhia divulgou estudo que apontou aumento de 8,53%, em fevereiro ante janeiro, no índice de cheques devolvidos no Brasil. Na comparação com fevereiro de 2005, o indicador apresentou expansão mais significativa, de 9,79%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.