Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mais de 100 milhões

Na semana passada, o Ibope apontou que o total de brasileiros com acesso à internet chegou a 102,3 milhões no primeiro trimestre deste ano. Mais da metade da população. O acesso à rede mundial ainda não se compara aos 97% dos domicílios do País que têm televisão, mas já dá para dizer que ela ocupa uma posição importante na vida das pessoas por aqui.

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2013 | 02h10

Eram cerca de 49 milhões em 2003. Um dos grandes impulsos para esse crescimento tem sido a expansão da rede móvel. Em maio deste ano, 25% dos celulares brasileiros eram de terceira geração (3G), com serviço de dados, segundo a Anatel. Isso equivalia a 67 milhões de aparelhos. Além disso, existiam 7 milhões de acessos fixos de banda larga sem fio.

Apesar de a base ter mais do que dobrado em uma década, existem muitos problemas a serem vencidos, como disponibilidade (principalmente nas cidades menores e áreas rurais), qualidade e preço. As dificuldades são ainda maiores nas conexões móveis. Quando você está na rua e precisa consultar um mapa ou pesquisar um endereço, parece que a rede fica ainda mais instável e lenta.

Em 2004, escrevi uma cartilha de inclusão digital, publicada pelo Instituto Ethos e pelo CDI. Naquela época, a saída para a disseminação da internet no País pareciam ser espaços públicos de acesso, como lan houses. O chamado mercado cinza (que vendia máquinas montadas com peças contrabandeadas e software pirata) ainda fornecia a maioria dos PCs consumidos no Brasil. As redes locais sem fio, com tecnologia Wi-Fi, eram uma promessa. Tecnologias que acabaram não pegando - como a comunicação de dados via rede elétrica e a TV digital interativa - também eram. A licitação da 3G só aconteceu três anos depois.

Mas as previsões estavam erradas. E parte disso foi resultado de uma política pública. Com a chamada Lei do Bem, o governo cortou impostos sobre computadores, ampliou o mercado e, ao mesmo tempo, combateu o mercado cinza. Naquela época, era incomum comprar PCs no supermercado ou nas redes de eletrodomésticos. As lojas especializadas que montavam computadores ofereciam preços mais baixos, mas normalmente não tinham opções muito atrativas de financiamento.

Com isso, o acesso ao computador era bastante restrito. Havia cerca de 15 milhões de micros no Brasil há 10 anos. Segundo a FGV, hoje são 109 milhões, sete vezes o total daquela época. Comparando o crescimento do acesso ao da base de PCs, dá para perceber que houve uma política mais efetiva na área de informática que na área de comunicação de dados. Nas telecomunicações, os compromissos de instalação da 3G tiveram um impacto mais positivo do que o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), que, lançado em 2010, não alcançou os resultados previstos e aguarda uma reformulação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.