Mais de 600 são detidos em protesto contra o FMI em Washington

Manifestantes se acorrentaram uns aos outros, encheram de bicicletas ruas do centro e se concentraram em parques de Washington no momento em que ministros da Economia davam início a reuniões do FMI e Banco Mundial. Cerca de 600 manifestantes foram presos - entre eles um diretor do Greenpeace - e um deles ficou levemente ferido.Apesar de os manifestantes terem prometido parar a capital norte-americana, houve poucos transtornos na hora do rush matinal enquanto os participantes seguiam para o centro de Washington a fim de protestar contra políticas ambientais do presidente George W. Bush, o Banco Mundial e a "ganância das corporações". Outros protestavam contra uma possível guerra ao Iraque.A maioria dos detidos foi acusada de bloquear calçadas ou entradas e realizar passeata sem permissão prévia. Cerca de 65 pessoas foram acusadas de promover distúrbios após se confrontar com a polícia, quebrar janelas em escritórios do Citibank e jogar bombas de fumaça na área comercial de Washington. Mais de 200 manifestantes foram detidos dentro da área de segurança da Casa Branca e foram acusados de desobedecer ordens policiais. O encontro que inspirou os protestos teve início sem interrupção - cercado por obstáculos, ruas fechadas ao tráfego e cordões policiais. Numa esquina do centro, outra, pessoas dançavam nas ruas com lama espalhada pelo cabelo e roupa. Caminhões de bombeiros foram chamados para apagar alguns pneus incendiados. "Este não é um Estado policial, temos o direito de nos manifestar", gritava um grupo de jovens, alguns com bandanas na cabeça. A força policial da cidade recebeu o reforço de 1.700 homens de todo o país para ajudar a conter as manifestações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.