Mais de 70% da população brasileira tem algum tipo de cartão

Cartão de débito, meio eletrônico de pagamento mais popular, está nas mãos de 60% dos brasileiros

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

29 de setembro de 2011 | 12h31

SÃO PAULO - O número de brasileiros que possuem um meio eletrônico de pagamento aumentou nos últimos anos. Nada menos que 72,4% da população conta com algum tipo de cartão, seja crédito, débito ou os plásticos emitidos por lojas e supermercados. Em 2008, esse porcentual era de 68%. Os números fazem parte da quarta edição da pesquisa nacional de uso de meios eletrônicos, realizada pelo Instituto Datafolha a pedido da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões e Serviços).

O cartão de débito é o meio eletrônico de pagamento mais popular. A pesquisa mostra que 60% dos brasileiros têm um cartão assim, ante 53% em 2008. Nos cartões de crédito, o índice de posse é menor, de 53%. Já nos plásticos emitidos por lojas, redes de varejo e supermercados, o porcentual é de 28%.

As pessoas de maior renda são as que mais têm cartões. Nas classes A e B, um total de 88% das pessoas possuem algum cartão. Na classe C, o total é bem menor, de 47%. O presidente da Abecs, Cláudio Yamaguti, destaca que é entre as pessoas das classes menos endinheiradas que o mercado de cartões mais cresce, por conta do aumento das taxas de emprego e da renda da população. Em 2008, o porcentual de pessoas da classe C que tinha um cartão era de 38%, nove pontos porcentuais abaixo do índice deste ano.

Entre as capitais pesquisadas pelo Datafolha, Brasília é a cidade em que as pessoas mais têm cartões, com 85% da população. Já os menores porcentuais estão em Belém (68%), Manaus (65%) e Recife (63%).

A pesquisa foi feita em 11 capitais e ouviu 4 mil pessoas, entre os meses de junho e agosto. O levantamento será apresentado na tarde desta quinta-feira no "6º CMEP - Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamentos", realizado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e pela Abecs. O evento termina amanhã em São Paulo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.