Mais emprego, ainda que com mais inflação, prega economista

Se você perguntar a um trabalhador se ele prefere uma inflação de 5% ou 10% ao ano, a resposta será certamente 5%. Mas se você perguntar se ele prefere uma inflação de 10% com emprego, ele ficará com essa última alternativa. O raciocínio foi exposto pelo economista Ricardo Carneiro, um dos formuladores do programa econômico do PT para a campanha eleitoral de 2002. Em entrevista ao Jornal da Cultura, da TV Cultura, ele pregou uma mudança na meta inflacionária fixada pelo equipe econômica (5,5% para este ano), por considerá-la inibidora do crescimento econômico e da geração de emprego. Carneiro reconheceu, porém, que será difícil para o governo Lula alterar a política estabelecida pelo ministro da Fazenda Antonio Palocci e pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, mesmo levando em conta as críticas que ela vem recebendo. "Há uma grita generalizada dos setores empresariais, e até mesmo do chamado mercado, a propósito da inadequação do regime de metas de inflação, que tem aprisionado o crescimento econômico do Brasil", afirmou. Flexibilidade Para ele, é necessária uma flexibilização no regime de metas inflacionárias "para soltar um pouco a economia". O governo, segundo disse, não está levando em conta o fato de que, como está, a economia brasileira é vulnerável e está muito sujeita a choques externos. "Se você tentar manter a inflação (brasileira) no padrão internacional, que é muito baixo, a nossa economia não vai crescer. Acho que isso já está provado, já está discutido, e é amplamente reconhecido hoje, inclusive nos setores mais conservadores." Chance perdida? Segundo Ricardo Carneiro, há um conjunto de outras questões que podem ser mudadas na política econômica. Lembrou que o País está vivendo hoje um momento excepcional do ponto de vista externo, que provavelmente não se repetirá em 2005. "Nós teríamos que estar aproveitando essa situação para crescer, porque provavelmente no futuro será muito mais difícil", disse.

Agencia Estado,

16 Março 2004 | 07h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.