Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mais gente quer vender que comprar

O efeito mais visível da nova situação do mercado automotivo não está só nos números frios da inadimplência. Basta olhar para os pátios das revendas de carros usados para ver que o mercado vive um momento diferente. Nas lojas, há mais gente querendo vender que comprar.Além disso, é cada vez maior a presença de endividados que querem repassar o veículo para se livrar do financiamento. O problema é que, muitas vezes, o carro vale menos que a dívida.As maiores exigências das financeiras têm afastado clientes das revendas. Em outubro, foram vendidos pouco mais de 163 mil carros usados no Estado de São Paulo, número 13,6% menor que o de setembro. Desses negócios, só 49% contaram com algum tipo de financiamento. No mês anterior, 82% das compras tiveram ajuda dos bancos. Ao mesmo tempo, o prazo médio dos empréstimos feitos caiu de 48 para 45 meses. Isso tem feito os estoques se avolumarem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.