Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mais mobilidade

Vivemos uma transição na maneira como usamos a tecnologia da informação, e isso tem impactos profundos na vida de pessoas e empresas. A perda da posição central que os computadores pessoais ocupavam, cedendo espaço para smartphones e tablets, mudou a maneira como consumimos software. Os aplicativos móveis têm se tornado, cada vez mais, o modelo preferido de acesso a serviços digitais.

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2014 | 02h07

Segundo a consultoria Gartner, em 2017, o mercado mundial de aplicativos móveis deve movimentar US$ 77 bilhões, com 268 bilhões de aplicativos baixados no ano. Em 2013, foram 102 bilhões de downloads, com um faturamento de US$ 26 bilhões. Esse crescimento coloca pressão nos departamentos de tecnologia das empresas. Além da demanda dos consumidores, os funcionários querem ter uma experiência parecida com a que têm em casa quando acessam os sistemas corporativos.

Essa tendência recebeu o nome de "consumerização" da tecnologia da informação. As empresas têm permitido (e até incentivado) que os profissionais tragam de casa seus próprios equipamentos, num modelo conhecido pela sigla "byod" (do inglês "bring your own device"). "Estudos mostram diferença de três gerações de aparelho entre o que o funcionário traz de casa e o que a empresa oferece", diz Bruno Rossini, diretor da CA Technologies. A empresa divulgou recentemente uma pesquisa sobre a "economia dos aplicativos", que ouviu executivos de 1.450 empresas em 13 países, incluindo o Brasil.

Mundialmente, 50% dos pesquisados identificam um impacto importante da economia dos aplicativos no seu setor de atuação, e 44% já veem esse impacto em sua própria organização. Para responder a isso, eles estão, entre outras medidas, elevando investimentos (numa média de 25%) em tecnologia e trazendo de volta para dentro da empresa mais desenvolvimento de software (num aumento de 11%). Em média, cada companhia pesquisada lançou seis aplicativos no ano passado.

No Brasil, o impacto percebido é menor que a média mundial - 37% das empresas veem efeitos importantes da economia dos aplicativos nas organizações, e 28% dos executivos locais identificam impacto importante nos setores em que atuam. No ano passado, 51% das companhias entrevistadas por aqui lançaram cinco aplicações ou mais.

As principais dificuldades enfrentadas pelos brasileiros para atuar na economia dos aplicativos, diz a pesquisa, são restrições orçamentárias (52%), questões culturais (39%) e dificuldade de mudar a estratégia atual (35%). Essa pressão pelo lançamento de aplicativos acaba fazendo, muitas vezes, que as empresas apenas transponham para o app o conteúdo de seus sites. Mas isso não é suficiente. Para ter sucesso, um aplicativo precisa oferecer, mais que informação, serviços relevantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.