Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

Mais ricos saem ilesos e até fortalecidos da pandemia, diz ONG

Oxfam defende a criação de impostos sobre grandes fortuna e aponta, em seu relatório anual sobre desigualdade, que em nove meses as mil maiores fortunas do mundo já recuperaram as perdas econômicas causadas pela covid-19 

AFP

25 de janeiro de 2021 | 08h39

PARIS - A ONG Oxfam informou nesta segunda-feira, 25, que as grandes fortunas mundiais saíram ilesas e até reforçadas da pandemia e renovou seu apelo à criação de impostos sobre a riqueza para combater "o vírus das desigualdades".

“Em apenas nove meses, as mil maiores fortunas do mundo já recuperaram as perdas econômicas causadas pela pandemia”, disse a ONG em seu relatório anual sobre desigualdade.

Os mais pobres “precisariam de mais de uma década para se recuperar dos impactos econômicos da crise”, aponta o relatório publicado por ocasião do início do Fórum Econômico Mundial, que este ano é realizado online e não em Davos, na Suíça, como de costume.

Em uma escala global, os bilionários viram suas fortunas aumentar em um volume total de US$ 3,9 trilhões entre 18 de março e 31 de dezembro de 2020, de acordo com a ONG, que se baseia principalmente em dados da Forbes e do Credit Suisse.

Estados Unidos, China e França registram os avanços mais importantes. Os bilionários franceses, por exemplo - entre eles Bernard Arnault, o terceiro mais rico do mundo - “ganharam cerca de 175 bilhões de euros (US$ 213 bilhões) no mesmo período”.

Diante desse aumento das desigualdades, a Oxfam acolhe as propostas dos economistas Thomas Piketty e Gabriel Zucman em favor de um aumento de impostos para os mais ricos.

A crise do coronavírus "deveria significar uma mudança na tributação para os indivíduos e empresas mais ricos. Ela nos oferece a oportunidade de finalmente estabelecer uma tributação justa, acabar com o nivelamento por cima. Isso pode assumir a forma de um aumento da tributação sobre fortuna, imposto sobre transações financeiras e medidas para erradicar a evasão fiscal", indica o relatório.

A ONG cita como exemplo a Argentina, que aprovou em dezembro uma lei que cria um imposto extraordinário sobre grandes fortunas, que pode gerar cerca de US$ 3 bilhões, para financiar o combate aos efeitos do Covid-19.

“A pandemia de covid-19 tem o potencial de aumentar a desigualdade econômica em praticamente todos os países do mundo ao mesmo tempo”, afirma o relatório, que conclui ainda que “a desigualdade está ceifando vidas”.

A ONG diz que no Brasil “afrodescendentes têm 40% mais chances de morrer de covid-19 do que brancos”. Em países como França, Espanha ou Índia, as áreas mais pobres apresentam taxas de mortalidade e contágio mais altas, acrescenta Oxfam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.