Mais uma vez os alimentos pressionam a inflação

A alta nos preços dos alimentos foi o principal fator pelo aumento da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) para 0,85% na semana encerrada em 18 de agosto, contra 0,80% na semana anterior. A variação ficou no teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro (0,75% a 0,85%). O grupo alimentação foi responsável, sozinho, por 45% do IPC-S da semana. Entre as 12 capitais pesquisadas, a maior alta do IPC-S na semana ocorreu em Goiânia (1,57%) e a menor em Belém (0,40%).O preços dos alimentícios subiu de 1,06% na semana anterior para 1,39% na semana de 18 de agosto. Entre os produtos pesquisados, as maiores acelerações de uma semana para outra ocorreram em hortaliças e legumes (7,39% para 9,99%) e carnes bovinas (-0,13% para 0,33%).O grupo habitação também exerceu pressão, apesar de ter reduzido a alta de 1,02% para 0,81%. Houve reajustes, ainda que menores, nas tarifas de eletricidade residencial (3,50% na semana anterior para 2,77%) e de telefone fixo (2,95% para 2,15%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.