DIda Sampaio/Estadão
DIda Sampaio/Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Major Olímpio diz que governo discute alternativas para aproveitar PEC da Previdência

Líder do PSL no Senado afirmou que equipe ainda não tem o texto final da reforma, que será definido pelo presidente Jair Bolsonaro

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2019 | 12h19

BRASÍLIA - O líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP) disse, após se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo ainda não tem o texto final da reforma da Previdência fechado, que será definido pelo presidente Jair Bolsonaro após sua alta do hospital. "O presidente deve retornar e reunir áreas técnicas e políticas para definição do texto", afirmou.

O senador disse ter perspectivas bastante positivas em relação à aprovação da reforma. "O ministro Guedes sabe que eu sou aliado de primeira hora. Estamos conversando sobre como sensibilizar a classe política [da importância da aprovação]. Vamos conversar com o MDB, que tem a maior bancada e é fundamental nesse processo", afirmou.

O líder disse que o governo ainda discute possibilidades, como aproveitar a proposta de emenda constitucional já enviada pelo presidente Michel Temer. "Minha opinião é aproveitar conteúdos já existentes, mas não sou eu quem decido", completou. Em relação aos militares, o senador afirmou ter ouvido de Guedes que a própria categoria está fazendo propostas para a reforma, que estão de acordo com o que defende a equipe econômica.

Para Olímpio, é possível que a reforma tramite conjuntamente com o pacote anti-crime desenhado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. Segundo Olímpio, essa, assim como a Previdência, é uma prioridade da população. "Na prática uma coisa não tem a ver com a outra, um não vai travar a outra. As duas coisas são muito urgentes para o país", completou.

Depois de ter reclamado da falta de apoio do governo à sua candidatura à presidência, Olímpio disse que essa é uma questão encerrada. "Estou curando minhas feridas, já já estarão cicatrizadas", afirmou.

Ele também saiu em defesa do líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vítor Hugo (PSL-GO), e disse que não acredita que lhe falte experiência política e que Hugo é capaz, o que as pessoas perceberão com o andamento dos projetos na Casa. " Quando começarem as votações, sei que tudo vai funcionar e ele terá sucesso", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.