Malan: nervosismo no mercado não se justifica

O ministro da Fazenda, Pedro Malan, voltou a afirmar ontem que o nervosismo do mercado financeiro não se justifica, mesmo com o fato de as preocupações em relação à Argentina não terem se dissipado depois do anúncio do pacote de contenção de gastos e com o fato de o ex-ministro da Economia, Domingo Cavallo, estar voltando ao governo em cargo ainda não definido. Para Malan, que fez as declarações em dois eventos - antes e depois de o Banco Central anunciar a venda de papéis cambiais -, ainda é cedo para prever o comportamento da inflação por causa da pressão sobre o dólar dos últimos dias.O ministro disse também que não descarta crescimento menor que o previsto para este ano, apesar do considerar a questão ainda prematura. "É preciso mais serenidade e não desta superexcitação", afirmou, referindo-se ao fato de o dólar ter sido negociado ontem a R$ 2,175. "Esses picos de preços não fazem sentido. Em janeiro do ano passado, dissemos que não havia razão para nervosismo, mas o instinto de rebanho marcou o comportamento do mercado e estimulou a demanda por hedge". Para ele, a cotação do dólar de ontem não corresponde aos fundamentos da economia. "A melhor maneira de o Brasil tornar-se menos vulnerável é a tramitação da agenda legislativa no Congresso", acrescentou.BC intervém no mercado vendendo títulos cambiais para "evitar má formação de preço"Mesmo avaliando o nervosismo exagerado, o BC voltou a intervir no mercado com a venda de títulos com correção cambial. "Tentamos evitar a má formação de preço, restabelecer a liquidez e dar condições para o reestabelecimento das condições de mercado", comentou o diretor de Política Monetária do BC, Luis Fernando Figueiredo, ao anunciar o leilão. O diretor anunciou a venda instantes após trocar algumas palavras com o ministro após evento de posse da nova diretoria da Associação Brasileira das Associações de Bancos (ABBC).O ministro fez questão de ressaltar também que o BC não trabalha com bandas e que não fará intervenções apenas para segurar o dólar. "A oscilação é uma via de mão dupla e a experiência mostrará aos participantes do mercado que não há motivos para apostar apenas na alta". Para Malan, não há ingenuidade por parte dos integrantes governo. Segundo o ministro, o fato de o BC ter anunciado a venda de R$ 2 bilhões em papéis cambiais ontem não significou mudança de estratégia em relação à semana passada, quando o BC vendeu dólares e conteve o aumento de preços.Alguns setores da economia podem anunciar aumento de preçosPara o ministro, é normal que alguns setores da economia, como o de eletroeletrônicos, anunciem que pretendem reajustar os preços. "O consumidor não é obrigado, como era no passado por causa de uma economia fechada, a ter poucas opções de compra. "Se há aumento de insumos é normal que os preços subam", disse. Ele destacou que o BC "não precisa agir de forma abrupta toda vez que há um choque de oferta, sem avaliar sua durabilidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.