Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Malha aérea para atender Copa será definida em janeiro

As companhias só terão disponível a malha aérea para as cidades sede da Copa do Mundo em janeiro, quando os clientes poderão ter a oferta de passagens aéreas para essas localidades a tarifas mais acessíveis. Essa é a expectativa do governo, após reunião nesta quinta-feira, 31, com representantes das companhias aéreas e a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) para discutir o tema.

MURILO RODRIGUES ALVES, Agencia Estado

31 de outubro de 2013 | 19h49

"A tendência é ter mais oferta. Com mais oferta, o preço pode vir a cair", disse o diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys. Os voos disponíveis atualmente para o período dos jogos da Copa não correspondem ao que será ofertado na ocasião.

Na reunião, ficou definido que, após o sorteio das chaves da Copa, marcado para 6 de dezembro, as empresas aéreas terão 15 dias para pedir o remodelamento da malha aérea para que possam se adequar ao calendário do evento esportivo. Daí a expectativa de que somente em janeiro essa malha esteja disponível. A orientação para quem planeja viajar durante a Copa é que espere a definição.

Ficou acertado também que, na próxima terça-feira, 05, as companhias aéreas deverão entregar o modelo da comunicação que será feita aos clientes para informar que os voos atualmente disponíveis não correspondem à malha aérea da Copa.

Segundo relato da Abear, pela experiência de outros torneios mundiais, o tráfego aéreo tende a diminuir nos locais onde não há jogos. No Brasil, cerca de 70% do tráfego aéreo provém de turistas de negócios e eventos. "Majoritariamente teremos a substituição de turistas de terno e gravata por turistas com camisa da seleção", disse o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz. A expectativa da entidade é de que, mesmo na Copa, a taxa de desocupação dos voos, que atualmente é de 20% a 25%, se mantenha.

A Anac também se comprometeu a fazer, a partir de dezembro, o monitoramento de 15 em 15 dias dos preços dos bilhetes vendidos para voos no País entre junho e julho de 2014. Atualmente, o acompanhamento é feito mensalmente.

Tudo o que sabemos sobre:
AnacAbearCopa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.