MAN anuncia investimento de R$ 1 bi

Fabricante de caminhões e ônibus da marca Volkswagen vai dobrar a capacidade de produção da fábrica de Resende, no Rio de Janeiro

EDUARDO RODRIGUES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2011 | 03h05

A MAN Latin America, fabricante de caminhões e ônibus da marca Volkswagen, anunciou ontem um plano de investimentos de mais de R$ 1 bilhão para a ampliação da fábrica em Resende, no Rio de Janeiro. O objetivo é duplicar a capacidade de produção da planta fluminense, das atuais 70 mil unidades por ano para cerca de 140 mil em 2014.

Segundo estimativas da MAN, o contingente atual de 7 mil funcionários deve ser reforçado em 50% nesse período. O presidente da companhia, Antonio Roberto Cortes, destacou que a empresa pretende utilizar ainda mais componentes nacionais, além de desenvolver novas tecnologias, principalmente para a criação de modelos híbridos. "Vamos desenvolver uma nova geração de veículos", acrescentou.

Cortes destacou que a companhia tem crescido a taxas superiores a 15% nos últimos 12 anos, o que reforça a necessidade de ampliação da capacidade instalada na fábrica para atender à demanda esperada no mercado brasileiro - o quarto do mundo no segmento - para os próximos anos.

"O investimento consolida a região de Resende como o segundo maior polo automobilístico do País", afirmou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, após encontro entre os executivos da empresa e a presidente Dilma Rousseff.

O ministro citou a construção de uma fábrica da Nissan - que faz parte do grupo Renault - na cidade, também anunciada no Palácio do Planalto há 20 dias. "Na semana que vem, a Peugeot deve anunciar investimentos na região", acrescentou Pimentel, sem dar detalhes sobre os planos da montadora francesa.

Para Pimentel, os sucessivos anúncios de investimentos no setor automobilístico demonstram que a política industrial do governo está no caminho correto. "A presidente Dilma está preocupada com a crise internacional, mas a economia brasileira dá sinais de uma vitalidade muito grande", completou.

Razoável. O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, avaliou que o investimento da MAN é uma prova que a exigência de um porcentual significativo de conteúdo local na fabricação de veículos é "razoável".

No mês passado, o governo decidiu elevar em 30 pontos porcentuais a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos com menos de 65% de componentes nacionais, em uma tentativa de barrar a forte entrada de automóveis importados no País. Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) esta semana, o aumento do tributo - que não atinge os automóveis fabricados na Argentina, México e Uruguai - deve começar em 15 de dezembro.

Mercadante comemorou a decisão da MAN em investir em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias na fábrica de Resende. Segundo ele, porém, a ampliação do setor automobilístico na localidade pode esbarrar na falta de mão de obra qualificada. Por isso, o governo estuda a possibilidade de instalar uma escola técnica na região, voltada para formar profissionais da área.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.