Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Mandelson diz que bancos estão reagindo com exagero à crise

O secretário britânico de Negócios, Peter Mandelson, acusou neste sábado os bancos do Reino Unido de reagirem com exagero à crise de liquidez, dizendo que agora eles se tornaram muito conservadores com suas políticas de empréstimo. Mandelson afirmou que os bancos correm o risco de sofrer mais danos em seus balanços financeiros e lucros se não realizarem empréstimos a pequenos negócios. Há um desencontro entre o que ele escutou de empresas no país e de banqueiros em Londres. "Os bancos passaram por uma forte crise de liquidez. Eles emprestaram demais com um preço muito baixo por muito tempo. Agora eles estão reagindo com exagero, na minha opinião, de maneira muito conservadora e restritiva", disse o secretário ao jornal Guardian. "Eles correm o risco de substituírem um conjunto de problemas por outro, e no processo sofrerão mais danos por realizarem poucos empréstimos, não fortalecendo seus balanços financeiros e lucros no longo prazo. Eles estão próximos de cortar o próprio nariz para machucar o próprio rosto". Mandelson, que foi surpreendentemente chamado de volta ao governo pelo primeiro-ministro Gordon Brown neste ano, disse que não sabia quanto tempo a recessão irá durar, aparentemente contradizendo previsões do governo na semana passada de que a economia britânica sairia da recessão na segunda metade do ano de 2009. "Ninguém pode prever o quão curta ou longa, dolorosa ou indolor, a recessão será. Ela irá determinar nossos empréstimos, nossos impostos e nossos gastos. Tudo o que sei é que, o quanto mais nos aprofundarmos na recessão, maiores serão os custos para sairmos dela", disse. (Reportagem de Frank Prenesti)

REUTERS

29 de novembro de 2008 | 13h18

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEBANCOSMANDELSON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.