Manguinhos demite mais 70 funcionários

Mais 70 funcionários foram demitidos hoje da Refinaria de Manguinhos, informou há pouco o Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ). Desde julho, a refinaria deu início aos cortes em seus quadros de funcionários, na época em que suspendeu as atividades de refino de combustíveis. O presidente do grupo Repsol (controlador de Manguinhos) no Brasil, João Carlos De Luca, disse na semana passada que "não vê outra solução senão o fechamento da unidade". Na ocasião, De Luca disse ainda que estavam sendo mantidas em Manguinhos apenas operações de compra e venda de combustíveis. Segundo o sindicato, com as demissões de hoje, apenas 100 funcionários continuam empregados, ante 308 em julho, quando teve início a suspensão de parte das atividades da empresa. Manguinhos, assim como a refinaria Ipiranga, estão movendo processo junto à Secretaria de Defesa Econômica (SDE) contra a Petrobras. Ambas as empresas acusam a estatal de não repassar para seus custos o preço internacional do petróleo, o que inviabilizaria a concorrência num mercado aberto. A expectativa é que haja um ressarcimento das perdas no período e que a Petrobras seja obrigada a praticar os mesmos preços internacionais para que a refinaria de Manguinhos possa voltar a operar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.