Manifestantes alertam contra extremistas no panelaço

Mensagens eletrônicas circulam na Argentina, advertindo a população sobre o perigo das pessoas infiltradas de extrema-direita e esquerda no "panelaço" marcado para esta sexta-feira à noite.O panelaço geral foi convocado por e-mail, fax, telefonemas e assembléias locais dos bairros de Buenos Aires. Agora, os participantes estão utilizando estes mesmos veículos para pedir aos moradores de cada bairro que se mantenham juntos aos seus vizinhos e fiquem atentos aos movimentos agressivos e violentos de pessoas mercenárias e golpistas que podem infiltrar-se no protesto, que "é pacífico e em defesa do país".Uma das mensagens eletrônicas enviadas aos três milhões e meio de usuários de internet na Argentina invoca duas frases do intelectual francês Pierre Bourdieu: "Às vezes, temo que a população desperte quando seja tarde demais", e "se sei que ocorrerá uma catástrofe e não alerto sobre ela, estou cometendo algo parecido ao delito de não ajudar uma pessoa em perigo".A mensagem continua, dizendo que "a Argentina está em grande perigo, mas juntos somos mais". O que chama mais a atenção na organização desses protestos populares é que são autoconvocados e existe uma participação voluntária dos cidadãos. Não se podem detectar um ou vários líderes organizando o movimento. São gestos individuais que vão somando-se e crescendo.É visível a autoconvocação e automobilização dos argentinos, que estão levando toda a família para as ruas e praças públicas do país. Crianças, bebês e idosos estão juntos num grito nacional de "basta de corrupção, de juízes comprados, de desemprego, de fome, de miséria, de mentiras, de roubo de nossas economias, de roubo do futuro de nossos filhos", como diz uma das mensagens eletrônicas recebidas por esta jornalista.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.