Manifestantes deixam Aneel e continuam passeata em Brasília

Cerca de 80 pessoas que ocuparam o prédio da Agência nesta manhã se dirigiram à Esplanada dos Ministérios

Gerusa Marques, da Agência Estado,

10 de dezembro de 2007 | 11h54

Os manifestantes que ocuparam a entrada do prédio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em Brasília, em protesto contra a realização do leilão da usina hidrelétrica do Rio Madeira, se dirigiram no final da manhã desta segunda-feira, 10, em passeata para a Esplanada dos Ministérios.   Segundo o coronel da Polícia Militar do Distrito Federal, Renato Fernandes Rodrigues, que comandou a operação, 80 manifestantes ocuparam a entrada do prédio. Eles chegaram por volta das 6 horas e foram retirados pelo Batalhão de Operações Especiais da PM, por volta das 10 horas.   Segundo o coronel, sete manifestantes foram presos, sendo quatro líderes do movimento. Eles foram presos por invasão de órgão público, desacato à autoridade e dano ao patrimônio público, por causa das pichações na área externa do prédio. Uma mulher também foi presa por expor uma criança de cinco anos ao perigo.   As pichações eram contra a "venda do Rio Madeira" e frases de apoio ao bispo D. Luiz Cappio, que está em greve de fome contra a transposição do Rio São Francisco. "A Aneel estupra a mãe Terra", afirma uma das frases escrita em tinta vermelha.   Durante as quatro horas de ocupação do prédio, os manifestantes fizeram muita sujeira na entrada da Aneel. O início do leilão foi adiado por duas horas. Entre o material recolhido pelo pessoal de limpeza da Aneel, estavam faixas, pedaços de pau, sacos de pão e garrafas de água.   O coronel Rodrigues informou que, por volta das 7h30, a polícia deu prazo de meia hora para que os manifestantes se retirassem. O prazo foi estendido, numa tentativa de negociação. Mas depois que alguns disjuntores de energia foram desligados, a PM avisou que usaria o batalhão de choque para retirá-los e que saíssem primeiro, as mulheres, crianças e idosos que participavam da manifestação.   Por volta das 10 horas, 75 homens do Bope começaram a pressionar os manifestantes de dentro para fora do prédio. Ao todo foram 220 homens da PM na operação. O coronel informou que foi utilizada a "força necessária" para a retirada dos manifestantes, mas que ninguém saiu ferido. Os policiais continuavam monitorando o prédio da Aneel por volta das 12 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Usinas do Madeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.