Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Manifestantes invadem centro de imprensa em Cancún

Um grupo de manifestantes burlou o forte esquema de segurança e invadiu hoje de manhã o centro de imprensa da 5ª Reunião Ministerial de Organização Mundial de Comércio (OMC), em Cancún. Eles protestavam contra o acordo fechado na semana passada, que permite a importação de medicamentos genéricos pelos países pobres para o tratamento da Aids, malária e outras doenças infecciosas. Os manifestantes gritavam palavras de ordem como "medicamento para todas as nações". A grande crítica de várias organizações não governamentais (ONGs) é que, em vez de facilitar, o acordo fechado na OMC na semana passada torna ainda mais complexo o acesso dos países pobres aos medicamentos. Uma das ONGs que critica duramente o acordo tríplice de saúde pública é a Médicos Sem Fronteiras.Segundo a entidade, o acordo tem regras muito complexas, que em vez de facilitar vão obstruir o acesso a medicamentos mais baratos pelos países pobres. "Os países ricos devem parar de enfraquecer a Declaração de Doha sobre o acordo tríplice, ao procurar acordos bilater ais e regionais, como a Alca, que impõem provisões sobre propriedade intelectual para países em desenvolvimento. Estes acordos limitam a capacidade destes países de implementar a Declaração de Doha e salvaguardar a saúde pública. Os manifestantes portavam cartazes envoltos em fita adesiva vermelha, numa alusão a expressão em inglês "red paper", que significa burocracia. Muitos manifestantes classificam o acordo fechado na semana passada como mais um entrave burocrático.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2003 | 12h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.