Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Manifestantes invadem Ministério da Fazenda em protesto contra Reforma da Previdência

O protesto é organizado por movimentos sociais do campo e da cidade que integram as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo

Luci Ribeiro e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2017 | 08h31

BRASÍLIA - Mais de 1.500 pessoas ocuparam na madrugada desta quarta-feira, 15, a sede do Ministério da Fazenda, em Brasília, segundo informações distribuídas à imprensa pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST). A ação faz parte do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Reforma da Previdência. O protesto é organizado por movimentos sociais do campo e da cidade que integram as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

"A perda de direitos e os retrocessos promovidos pelo Governo Temer são os principais motivadores da ocupação, que tem sua centralidade na luta contra a Reforma da Previdência, enviada pelo presidente Michel Temer em dezembro do ano passado", cita nota do MST.

Vários protestos contra a Reforma da Previdência estão programados para ocorrer hoje nas principais cidades do País. Em Brasília, a concentração do ato começa a partir das 8h, na Catedral. De lá, os manifestantes devem seguir até o Ministério da Fazenda e se somar ao grupo que já está no local.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda para obter mais informações sobre a ocupação, mas até o momento não conseguiu contato.

Apesar da ocupação, a agenda do ministro Henrique Meirelles, será mantida. Ele participa da abertura da reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), às 9h30, na Escola de Administração Fazendária (Esaf). A reunião com o presidente mundial do Citigroup, Michael Corbat, que ocorreria às 10h30, no gabinete no ministério, foi transferida para a própria Esaf. 

Já às 11h15, Meirelles se encontrará com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, antes de viajar para Frankfurt, na Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.