Manifestantes liberam ferrovia da Vale após protesto

Manifestantes da Via Campesinadesocuparam a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), emGovernador Valadares (MG), no final da tarde de quinta-feira,depois de paralisarem a circulação de ao menos 30 trens decarga da Vale durante todo o dia. De acordo com a Vale, 300 manifestantes invadiram a linhano quilômetro 339, mas a Via Campesina afirma que foram 1.500pessoas, que chegaram ao local de ônibus. Eles iniciaram oprotesto por volta das 6h e só saíram no final da tarde. "Foram 10 horas e meia de interrupção, o que prejudicou otransporte ferroviário de minério de ferro e outras cargas e demais de mil passageiros que utilizam o trem como meio detransporte", afirmou a mineradora em nota. "Mais de 30 composições, transportando em média 14 miltoneladas cada, deixaram de circular". A Polícia Militar acompanhou a movimentação, e à tarde aJustiça Estadual da Comarca de Governador Valadares deferiuliminar determinando a reintegração de posse da ferrovia. Os manifestantes reivindicam que a mineradora abranegociação com as 500 famílias da comunidade Pedra Corrida,"que serão desalojadas pela barragem de Baguari, construídapela empresa na divisa dos municípios de Valadares ePeriquito", de acordo com comunicado da Via Campesina. "Até o momento, nenhuma negociação foi realizada",acrescentou o movimento. A manifestação também se deu porque não foram atendidas,segundo o movimento, as exigências relacionadas à construção daBarragem de Aimorés, pela Vale e Cemig, que teria desalojadomil famílias de quatro municípios que não foram reassentadas. A Via Campesina afirma que essa já é a sexta movimentaçãodo grupo apenas em Minas Gerais, enquanto a Vale afirmatratar-se da 15a invasão à empresa em todo o Brasil. (Por Camila Moreira)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.