Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Manifestantes marcham contra o governo e o FMI na Argentina

Milhares de desempregados, sindicalistas e aposentados estão marchando pelas ruas da Argentina em protesto contra asmedidas do governo e do FMI para recuperar a economia argentina. O dia de protestos ocorre ao mesmo tempo em que uma missão do FMI está concluindo o relatório da visita de uma semana, considerado crucial para determinar se o país sul-americanao receberá uma nova ajuda de emergência. Os protestos, embora desorganizados, foram reportados da província mais ao norte de Santa à costa do Atlântico em Mar del Plata, assim como na capital e outras principais cidades em todo o país. Não foram feitos registros de violência durante as passeatas, mas o porta-voz do governo, Alfredo Atansof, alertou os manifestantes a manterem um dia de protesto "responsável", sem incidentes.Muitos protestavam contra a habilidade do governo em aprovar programas para colocar um fim na depressão econômica, que levou à desvalorização da moeda, ao calote e ao desespero. "Nós temos um problema, genocídio social, que está ameaçando deixar 23 milhões de argentinos abaixo da linha de pobreza até o final do ano", acusou Luis D´Elia, um dos líderes de uma marcha quereuniu cerca de 3.000 desempregados em Buenos Aires. D´Elia criticou duramente o presiden te, Eduardo Duhalde, por estar cortejando a missão do FMI que está no país. Duhalde está buscando obter uma ajuda financeira de US$ 9 bilhões do Fundo. Em outra parte da capital, um grupo de esquerda planejava uma manifestação para o final do dia contra o FMI, cuja equipe está hospedada num hotel de luxo vigiado pela polícia, armada de escudos e bombas de gás. "O FMI veio pegar o que resta de nós", acusou o sindicalista Pablo Micheli.Leia o especial

Agencia Estado,

20 de junho de 2002 | 16h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.