finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mantega admite que economia pode crescer menos de 4%

Apesar de o Ministério da Fazenda continuar projetando um crescimento de 4% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2006, o titular da pasta, ministro Guido Mantega, voltou a afirmar na manhã desta segunda-feira que o País poderá crescer menos que este porcentual em 2006. Mantega continuava sustentando que o Brasil cresceria 4% até a semana passada, quando, pela primeira vez, admitiu um desempenho mais modesto da economia."Neste segundo semestre, nós estamos crescendo acima de 4%. E isso nós vamos verificar quando vier a conta do terceiro trimestre", afirmou Mantega, admitindo, entretanto, que o desempenho fraco verificado no segundo trimestre pode comprometer a projeção da Fazenda."Como nós tivemos um segundo trimestre mais fraco, com um crescimento menor, talvez, na soma do ano, possamos ter algo como 3,5% a 4%", acrescentou.JurosSegundo o ministro, o cenário inflacionário benigno abre espaço para que o Banco Central aprofunde a redução da taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 13,75% ao ano) a partir de 2007. Para ele, a taxa de juros real "até poderia" chegar a 5% no próximo ano. "Se a meta permitir, se a reação da economia for positiva, como eu espero que seja, nós poderemos, já no ano que vem, ter uma taxa de juros mais reduzida", disse Mantega. "Em breve, nós teremos juros semelhantes ao dos países emergentes parecidos com o Brasil", ressaltou.De acordo com o ministro, esse patamar seria "em torno de 5% de juro real, que, acrescentando a inflação, daria 8% a 9% (de taxa nominal)".As declarações foram dadas em entrevista coletiva antes de seu discurso na abertura do Fórum Municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentado, na cidade de Osasco.Matéria alterada às 11h39 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.